Home | Livros | Companhia de Bolso | CARTAS CHILENAS
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

R$ 49,90

/ À vista

Apresentação

A história de Fanfarrão Minésio, governador do Chile, narrada por um certo Critilo, que da então colônia escreve ao amigo Doroteu, na Espanha. São treze "cartas" em versos que, simulando falar de estrangeiros, fazem uma mordaz sátira política das Minas Gerais do fim do século XVIII.

Frequentemente comprados juntos

Companhia de Bolso

Cartas chilenas

Tomás Antônio Gonzaga

R$ 49,90

Companhia das Letras

Poesias reunidas

Oswald de Andrade

R$ 77,90

Companhia de Bolso

Retrato do amor quando jovem

Johann Wolfgang von Goethe, William Shakespeare, Richard Brinsley Sheridan e Dante Alighieri

R$ 44,90

Preço total de

R$ 172,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Poemas

Rainer Maria Rilke

R$ 49,90

Indisponível

Alfaguara

Poemas negros

Jorge de Lima

R$ 52,90

Boa Companhia

Haicais tropicais

Vários autores

R$ 49,90

Indisponível

Companhia das Letras

Júbilo, memória, noviciado da paixão

Hilda Hilst

R$ 39,90

Companhia das Letras

Distraídos venceremos

Paulo Leminski

R$ 37,90

Companhia das Letras

Poemas

W. H. Auden

R$ 62,90

Indisponível

Companhia de Bolso

Poesia erótica em tradução

José Paulo Paes

R$ 42,90

Ficha Técnica

Título original: Cartas chilenas (edição de bolso) Páginas: 184 Formato: 12.50 X 18.00 cm Peso: 0.158 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 02/08/2006
ISBN: 978-85-3590-882-4 Selo: Companhia de Bolso Ilustração:

SOBRE O LIVRO

A história de Fanfarrão Minésio, governador do Chile, narrada por um certo Critilo, que da então colônia escreve ao amigo Doroteu, na Espanha. São treze "cartas" em versos que, simulando falar de estrangeiros, fazem uma mordaz sátira política das Minas Gerais do fim do século XVIII.

Esta é a história de Fanfarrão Minésio, governador da capitania do Chile, narrada por um certo Critilo, que da então colônia escreve ao amigo Doroteu, residente na Espanha. São treze "cartas" em versos que trazem personagens e fatos de um governo que deve nos causar repugnância por sua corrupção e crueldade.

Foi justamente pelos efeitos do anti-exemplo de Minésio que um anônimo do Brasil colonial resolveu traduzir o texto em nossa língua, após obter o manuscrito de certo cavalheiro que por aqui aportou, vindo da América espanhola. Pelo menos é o que diz o incógnito tradutor no "Prólogo" e na "Dedicatória" das Cartas chilenas, oferecidas aos governantes portugueses "para emenda dos mais, que seguem tão vergonhosas pisadas".

Mas a própria sátira se encarrega de desfazer o irônico disfarce. Simulando falar sobre outro lugar, ela é uma voz da sociedade das Minas Gerais do final do século XVIII. Voz cintilante que, longe de ser um mero retrato daquele passado, nos diz muito de como esse passado enxergava a si mesmo.

* Leitura obrigatória dos vestibulares da UEL e UPE.

Sobre o autor