Home | Livros | Companhia das Letras | FICÇÕES (1944)
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

FICÇÕES (1944)

Jorge Luis Borges
Tradução: Arrigucci Jr., Davi

R$ 59,90

/ À vista

Apresentação

Ficções - publicado originalmente em 1944 pelas Ediciones Sur - é a obra que trouxe o reconhecimento universal para Jorge Luis Borges, graças, entre outros motivos, ao caráter fora do comum de seus temas, abertos para o fantástico, e à inesperada dimensão filosófica do tratamento.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Ficções (1944)

Jorge Luis Borges

R$ 59,90

Companhia das Letras

O Aleph

Jorge Luis Borges

R$ 62,90

Companhia das Letras

História universal da infâmia (1935)

Jorge Luis Borges

R$ 52,90

Preço total de

R$ 175,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

História da eternidade

Jorge Luis Borges

R$ 54,90

Companhia das Letras

História universal da infâmia (1935)

Jorge Luis Borges

R$ 52,90

Companhia das Letras

O livro dos seres imaginários

Jorge Luis Borges

R$ 62,90

Indisponível

Companhia das Letras

O jogo da amarelinha

Julio Cortázar

R$ 124,90

Companhia das Letras

Antologia da literatura fantástica

Jorge Luis Borges Adolfo Bioy Casares Silvina Ocampo

R$ 102,90

Indisponível

Companhia das Letras

Grande sertão: veredas

João Guimarães Rosa

R$ 99,90

Companhia das Letras

Nove ensaios dantescos & a memória de Shakespeare

Jorge Luis Borges

R$ 49,90

Companhia das Letras

Nova antologia pessoal

Jorge Luis Borges

R$ 67,90

Ficha Técnica

Título original: Ficciones (1944) Páginas: 176 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.236 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 21/11/2007
ISBN: 978-85-3591-123-7 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Ficções - publicado originalmente em 1944 pelas Ediciones Sur - é a obra que trouxe o reconhecimento universal para Jorge Luis Borges, graças, entre outros motivos, ao caráter fora do comum de seus temas, abertos para o fantástico, e à inesperada dimensão filosófica do tratamento.

Ficções reúne os contos publicados por Borges em 1941 sob o título de O jardim de veredas que se bifurcam (com exceção de "A aproximação a Almotásim", incorporado a outra obra) e outras dez narrativas com o subtítulo de Artifícios. Nesses textos, o leitor se defronta com um narrador inquisitivo que expõe, com elegância e economia de meios, de forma paradoxal e lapidar, suas conjecturas e perplexidades sobre o universo, retomando motivos recorrentes em seus poemas e ensaios desde o início de sua carreira: o tempo, a eternidade, o infinito. Os enredos são como múltiplos labirintos e se desdobram num jogo infindável de espelhos, especulações e hipóteses, às vezes com a perícia de intrigas policiais e o gosto da aventura, para quase sempre desembocar na perplexidade metafísica. Chamam a atenção a frase enxuta, o poder de síntese e o rigor da construção, que tem algo da poesia e outro tanto da prosa filosófica, sem nunca perder o humor desconcertante.
Em Ficções estão alguns de seus textos mais famosos, como "Funes, o Memorioso", cujo protagonista tinha "mais lembranças do que terão tido todos os homens desde que o mundo é mundo"; "A biblioteca de Babel", em que o universo é equiparado a uma biblioteca eterna, infinita secreta e inútil; "Pierre Menard, autor do Quixote", cuja "admirável ambição era produzir páginas que coincidissem palavra por palavra e linha por linha com as de Miguel de Cervantes"; e "As ruínas circulares", em que o protagonista quer sonhar um homem "com integridade minuciosa e impô-lo à realidade e no final compreende que ele também era uma aparência, que outro o estava sonhando".

Sobre o autor