Home | Livros | Companhia das Letras | O REINO DO AMANHÃ
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

O REINO DO AMANHÃ

J. G. Ballard
Tradução: José Geraldo Couto

R$ 77,90

/ À vista

Apresentação

Numa distopia contemporânea aterradora, um publicitário desempregado resolve investigar o assassinato de seu pai num shopping center e acaba descobrindo as atividades secretas de um grupo neofascista.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

O reino do amanhã

J. G. Ballard

R$ 77,90

Companhia das Letras

Ruído branco

Don DeLillo

R$ 72,90

Companhia das Letras

Crash

J. G. Ballard

R$ 62,90

Preço total de

R$ 213,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Terroristas do milênio

J. G. Ballard

R$ 67,90

Indisponível

Companhia das Letras

Os detetives selvagens

Roberto Bolaño

R$ 87,90

Companhia das Letras

Não me abandone jamais

Kazuo Ishiguro

R$ 72,90

Alfaguara

Meridiano de sangue (Nova edição)

Cormac McCarthy

R$ 74,90

Indisponível

Companhia das Letras

Z a cidade perdida

David Grann

R$ 77,90

Companhia das Letras

A zona do desconforto

Jonathan Franzen

R$ 67,90

Companhia das Letras

O leilão do lote 49

Thomas Pynchon

R$ 57,90

Ficha Técnica

Título original: Kingdom come Páginas: 368 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.454 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 06/01/2009
ISBN: 978-85-3591-370-5 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Numa distopia contemporânea aterradora, um publicitário desempregado resolve investigar o assassinato de seu pai num shopping center e acaba descobrindo as atividades secretas de um grupo neofascista.

Richard Pearson, um publicitário desempregado, chega de Londres ao subúrbio de Brooklands para enterrar seu pai, morto por uma bala aparentemente perdida no grande shopping center local, o Metro-Centre.
Ao investigar as circunstâncias da morte do pai, Pearson descobre aos poucos uma situação complexa e incômoda. A vida da cidade gira em torno do Metro-Centre, enorme catedral do consumo que conta com hotéis, clubes esportivos, praia com ondas artificiais e até um canal de tevê a cabo. É o Metro-Centre que irradia a ideologia da população local, altamente consumista e xenófoba.
Nesse caldo de cultura, Pearson detecta a emergência de um novo fascismo, que se manifesta nos ataques violentos, disfarçados de hooliganismo esportivo, contra imigrantes asiáticos e do leste europeu.
A apoteose do consumo, as pulsões agressivas canalizadas pela publicidade, as tensões étnicas e nacionais, tudo parece conduzir a um conflito social de grandes proporções. Ao mesmo tempo ator e vítima desse processo, o protagonista narra os fatos oscilando entre o cinismo e a perplexidade.

"Um dos escritores mais importantes da atualidade." - Susan Sontag
"Ninguém é capaz de escrever ou imaginar livros como os de Ballard." - Martin Amis

Sobre o autor