CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

R$ 62,90

/ À vista

Apresentação

Numa narrativa em que o real é a todo momento contaminado pela alucinação lisérgica e pela fantasia erótica, o visionário Crash, escrito em 1973, impressiona e perturba por sua capacidade de apreender, sob a forma de pesadelo literário, a insanidade de nossa época.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Crash

J. G. Ballard

R$ 62,90

Companhia das Letras

Vineland

Thomas Pynchon

R$ 94,90

Companhia das Letras

Dentro da baleia e outros ensaios

George Orwell

R$ 54,90

Preço total de

R$ 212,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

O reino do amanhã

J. G. Ballard

R$ 77,90

Companhia das Letras

Dentro da baleia e outros ensaios

George Orwell

R$ 54,90

Companhia das Letras

Terroristas do milênio

J. G. Ballard

R$ 67,90

Indisponível

Companhia das Letras

Contemplação / O foguista

Franz Kafka

R$ 52,90

Alfaguara

Dance dance dance

Haruki Murakami

R$ 69,90

Companhia das Letras

O legado de Humboldt

Saul Bellow

R$ 97,90

Ficha Técnica

Título original: Crash Páginas: 240 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.299 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 16/08/2007
ISBN: 978-85-3591-080-3 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Numa narrativa em que o real é a todo momento contaminado pela alucinação lisérgica e pela fantasia erótica, o visionário Crash, escrito em 1973, impressiona e perturba por sua capacidade de apreender, sob a forma de pesadelo literário, a insanidade de nossa época.

Se o filme Crash: Estranhos prazeres, de David Cronenberg, causou perplexidade quando foi lançado, em 1996, o romance que o inspirou, publicado em 1973, é ainda mais radical, incômodo e perturbador.
Narrado em primeira pessoa por um roteirista de cinema e publicidade, o livro mistura um minucioso realismo à mais ousada fantasia ao retratar uma espécie de irmandade de indivíduos doentios, obcecados pelas possibilidades eróticas dos desastres de automóvel.
O líder do grupo, Robert Vaughan, passa seus dias nas vias expressas da região do aeroporto de Londres, procurando acidentes sangrentos, que ele fotografa em todos os detalhes escabrosos. Depois, com prostitutas colhidas à beira da estrada, busca reproduzir, em bizarros atos sexuais no interior do carro, as posições das vítimas lesionadas.
Conduzido por um narrador cada vez mais perplexo e fascinado com a descoberta desse mundo em que o erótico, o mecânico e o macabro parecem se fundir, Crash pode ser lido como um retrato singular, sob a forma de pesadelo, da realidade insana em que trafegamos todos os dias.

"Ballard é um dos nossos maiores escritores de ficção." - Anthony Burgess

Sobre o autor