Home | Livros | Companhia das Letras | A DISCIPLINA DO AMOR
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

A DISCIPLINA DO AMOR

Lygia Fagundes Telles

R$ 62,90

/ À vista

Apresentação

Carlos Drummond de Andrade chamou de "miniaturas" esses textos fragmentários, escritos à margem da vida, em que a realidade confina com as invenções da ficção e da memória afetiva. Pequenos contos, reflexões curtas, notas cotidianas: tudo aqui se confunde numa amorosa variedade.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

A disciplina do amor

Lygia Fagundes Telles

R$ 62,90

Companhia das Letras

As meninas

Lygia Fagundes Telles

R$ 69,90

Companhia das Letras

Antes do baile verde

Lygia Fagundes Telles

R$ 64,90

Preço total de

R$ 197,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Ficha Técnica

Título original: A disciplina do amor Páginas: 224 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.323 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 23/11/2010
ISBN: 978-85-3591-772-7 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Carlos Drummond de Andrade chamou de "miniaturas" esses textos fragmentários, escritos à margem da vida, em que a realidade confina com as invenções da ficção e da memória afetiva. Pequenos contos, reflexões curtas, notas cotidianas: tudo aqui se confunde numa amorosa variedade.

Ao publicar A disciplina do amor, em 1980, Lygia Fagundes Telles já era a consagrada autora de três romances e dez coletâneas de contos. Apesar de seu êxito como romancista, muitos críticos tinham apontado a ficção curta como o território de maior maestria da escritora. Agora ela ressurgia experimentando uma escrita mais livre, que despreza as fronteiras entre a ficção e a realidade, a invenção e a memória, o conto e o relato autobiográfico. Estava lançado o desafio à separação rígida dos gêneros literários. O resultado foi um dos livros mais bem-sucedidos da autora, vencedor do Prêmio Jabuti e do prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA), agora em nova edição, revista pela autora.
"No princípio era o caderno", diz logo no início do livro o título de um dos fragmentos, referindo-se aos tradicionais diários das moças de antigamente. Espécie de paródia amadurecida de um discurso da intimidade juvenil, o livro estende sobre o mundo um olhar atento, às vezes desencantado, mas sempre compreensivo e terno, na busca incessante da única hipótese de sabedoria cabível nos tempos modernos: "controlar essa loucura razoável", seguindo o exemplo da "disciplina indisciplinada" dos apaixonados.

Sobre o autor