CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

Apresentação

Em seu novo livro, Ayaan Hirsi Ali, reconhecida crítica do islã, defensora dos direitos das mulheres e autora do best-seller Infiel, conta a história de sua viagem aos Estados Unidos em busca de uma vida melhor e de sua tentativa de finalmente criar raízes em algum lugar.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Nômade

Ayaan Hirsi Ali

R$ 72,90

Edição Econômica

Infiel

Ayaan Hirsi Ali

R$ 54,90

Companhia das Letrinhas

Menina Japinim

Ana Miranda

R$ 52,90

Preço total de

R$ 180,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

A virgem na jaula

Ayaan Hirsi Ali

R$ 62,90

Indisponível

Companhia das Letrinhas

Histórias à brasileira, vol. 3

Ana Maria Machado

R$ 59,90

Companhia das Letrinhas

O clube do tênis vermelho (Vol.2)

Ana Punset

R$ 52,90

Companhia das Letrinhas

O clube do tênis vermelho

Ana Punset

R$ 52,90

Companhia das Letrinhas

Histórias à brasileira, vol. 4

Ana Maria Machado

R$ 59,90

Companhia das Letras

Hibisco roxo

Chimamanda Ngozi Adichie

R$ 64,90

Indisponível

Companhia das Letras

Coleção de areia

Italo Calvino

R$ 62,90

Companhia das Letras

Se um viajante numa noite de inverno

Italo Calvino

R$ 72,90

Companhia das Letras

Contos de horror do século XIX

Vários autores

R$ 72,90

Ficha Técnica

Título original: Nomad Páginas: 392 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.471 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 14/09/2011
ISBN: 978-85-3591-935-6 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Em seu novo livro, Ayaan Hirsi Ali, reconhecida crítica do islã, defensora dos direitos das mulheres e autora do best-seller Infiel, conta a história de sua viagem aos Estados Unidos em busca de uma vida melhor e de sua tentativa de finalmente criar raízes em algum lugar.

Ayaan Hirsi Ali atraiu atenção mundial com o livro de memórias Infiel, que ficou 31 semanas na lista de best-sellers do New York Times e conta sua infância e adolescência na Somália, na Arábia Saudita, na Etiópia e no Quênia sob o rigor do islamismo, até chegar à Holanda, onde se tornou uma das principais críticas do islã e defensora dos direitos das mulheres. Agora, em Nômade, ela narra sua mudança para os Estados Unidos em busca de uma nova vida, longe dos islamitas europeus que a ameaçaram de morte.
Nesta história da transição da vida tribal à cidadania plena em uma democracia ocidental, Ayaan relata as reviravoltas em sua vida após o rompimento com a família, que a renegou quando ela renunciou ao islã depois do Onze de Setembro. De forma comovente, a escritora somali relata sua reconciliação com a mãe e os primos, e com o pai no leito de morte.
Nômade é o retrato de uma família dilacerada pelo choque de civilizações, mas também é um relato sensível, otimista e muitas vezes divertido da descoberta dos Estados Unidos por uma mulher que teme que o país esteja repetindo o erro europeu de subestimar o islã radical. Ayaan convoca instituições ocidentais - como o movimento feminista e as igrejas cristãs - a pôr em prática ações para ajudar outros imigrantes muçulmanos a superar os obstáculos que ela vivenciou em sua assimilação à sociedade ocidental e a resistir à sedução do fundamentalismo.
Uma celebração da liberdade de expressão e dos valores democráticos, o mais recente livro de Ayaan Hirsi Ali representa o amadurecimento intelectual da escritora. É também uma importante contribuição para a história das ideias e, acima de tudo, um chamado à ação.

"Esta mulher é uma grande heroína dos nossos tempos." - Richard Dawkins

"A voz e o exemplo de Hirsi Ali são simplesmente indispensáveis. Não há ninguém como ela - e precisamos de milhares como ela." - Sam Harris

"Para mim, as três mais belas palavras na linguagem emergente da resistência secular à tirania são Ayaan Hirsi Ali." - Christopher Hitchens

"Leitores de Infiel de todas as partes do mundo me ofereceram grande apoio e me encorajaram muito. Mas também me fizeram perguntas sobre assuntos que não abordei naquele livro. Perguntaram sobre o restante da minha família. Perguntaram sobre a vivência de outras muçulmanas. Foram muitas as vezes em que ouvi a seguinte pergunta: até que ponto seu relato poderia ser considerado típico? Você se considera de alguma forma representativa? Nômade é uma resposta a essa pergunta."

Sobre o autor