Home | Livros | Companhia das Letras | PARQUE INDUSTRIAL
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

PARQUE INDUSTRIAL

Pagu
Previsão de reimpressão: 03/2024

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Parque industrial

Pagu

R$ 49,90

Companhia das Letras

Autobiografia precoce

Pagu

R$ 72,90

Companhia das Letras

Diário confessional

Oswald de Andrade

R$ 99,90

Preço total de

R$ 222,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Autobiografia precoce

Pagu

R$ 72,90

Companhia das Letras

Modernismos 1922-2022

Gênese Andrade

R$ 159,90

Companhia das Letras

Diário confessional

Oswald de Andrade

R$ 99,90

Companhia das Letras

Modernidade em preto e branco

Rafael Cardoso

R$ 99,90

Companhia das Letras

Serafim Ponte Grande

Oswald de Andrade

R$ 74,90

Companhia das Letras

O guarda-roupa modernista

Carolina Casarin

R$ 109,90

Companhia das Letras

Ulysses - Edição especial

James Joyce

R$ 151,92

Alfaguara

Gótico nordestino

Cristhiano Aguiar

R$ 54,90

Ficha Técnica

Páginas: 112 Formato: 12.40 X 18.60 cm Peso: 0.128 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 28/01/2022
ISBN: 978-65-5921-261-3 Selo: Companhia das Letras Capa: Elaine Ramos Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Marco inegável da literatura brasileira, Parque industrial é uma reflexão brutal sobre classe, gênero, poder e desejo.

Nascido em tom de esperança, Parque industrial foi escrito em 1932, quando Pagu tinha 22 anos, e publicado no ano seguinte sob o pseudônimo Mara Lobo. Em sua Autobiografia precoce, ela escreve sobre o romance: "Pensei em escrever um livro revolucionário. [...] Ninguém havia ainda feito literatura desse gênero. Faria uma novela de propaganda que publicaria com pseudônimo, esperando que as coisas melhorassem. Não tinha nenhuma confiança nos meus dotes literários, mas como minha intenção não era nenhuma glória nesse sentido, comecei a trabalhar".

Abordando as consequências da industrialização brasileira do século XX, Parque industrial se consagrou tanto como retrato de época quanto como um manifesto em favor de seus personagens. Com habilidade sutil, Pagu denuncia as precárias condições enfrentadas pelas trabalhadoras da indústria têxtil paulistana, alinhando a isso as frustrações, traumas e vivências pessoais da mulher proletária.

Ao mesmo tempo universal e particular, este livro é passagem obrigatória não só para os leitores de Pagu, mas a quem se interessa pelo panorama social do período.

Sobre o autor