Home | Livros | Companhia das Letras | JEITO DE MATAR LAGARTAS
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

JEITO DE MATAR LAGARTAS

Antonio Carlos Viana

Apresentação

Vencedor do prêmio APCA em 2009, Antonio Carlos Viana lança novo livro de contos na comemoração dos quarenta anos de sua carreira literária.

Cine privê

Companhia das Letras

Cine privê

Antonio Carlos Viana

R$ 42,90

Indisponível
Aberto está o inferno

Companhia das Letras

Aberto está o inferno

Antonio Carlos Viana

R$ 59,90

O meio do mundo e outros contos

Companhia das Letras

O meio do mundo e outros contos

Antonio Carlos Viana

R$ 54,90

Indisponível
O inferno dos outros

Companhia das Letras

O inferno dos outros

David Grossman

R$ 64,90

O frango ensopado da minha mãe

Companhia das Letras

O frango ensopado da minha mãe

Nina Horta

R$ 69,90

Agora aqui ninguém precisa de si

Companhia das Letras

Agora aqui ninguém precisa de si

Arnaldo Antunes

R$ 59,90

Escuta

Companhia das Letras

Escuta

Eucanaã Ferraz

R$ 59,90

Indisponível
A cidade dorme -- Contos

Companhia das Letras

A cidade dorme -- Contos

Luiz Ruffato

R$ 59,90

Luzes de emergência se acenderão automaticamente

Alfaguara

Luzes de emergência se acenderão automaticamente

Luisa Geisler

R$ 74,90

Ficha Técnica

Título original: Jeito de matar lagartas Páginas: 152 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.222 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 10/02/2015
ISBN: 978-85-3592-551-7 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Vencedor do prêmio APCA em 2009, Antonio Carlos Viana lança novo livro de contos na comemoração dos quarenta anos de sua carreira literária.

Quase seis anos após a publicação de Cine privê, um dos melhores contistas brasileiros da atualidade presenteia o leitor com este marcante Jeito de matar lagartas. Ao narrar histórias do cotidiano aparentemente banais, como uma brincadeira de criança, a venda de um imóvel ou o reencontro de um jovem estudante com a antiga professora, o autor toca em questões fundamentais como o envelhecimento, o sexo (ou a ausência dele) e a solidão. Se em seu livro anterior os protagonistas passam muitas vezes por situações extremas e respondem à altura às vicissitudes da vida, em sua nova obra as personagens são ao mesmo tempo resignadas e inquietas, o que torna o resultado ainda mais surpreendente. Para o poeta e tradutor Paulo Henriques Britto, "a escrita de Antonio Carlos Viana, que acaba de completar quarenta anos de carreira literária, caracteriza-se desde o início pela concisão, uma recusa a qualquer forma de sentimentalismo, sem que isso implique indiferença ou cinismo. O distanciamento do narrador, mesmo quando (como frequentemente ocorre) a história é contada na primeira pessoa, visa acima de tudo garantir a precisão vocabular, a limpidez da sintaxe, e tem o efeito de acentuar a verossimilhança do narrado, até quando a ficcionalidade é evidente." Ao final da leitura destas narrativas o leitor possivelmente chegará à mesma conclusão que um de seus protagonistas: o mundo se divide "entre os de coração aflito e os de maldade extrema".

Sobre o autor