Home | Livros | Companhia das Letras | O FRANGO ENSOPADO DA MINHA MÃE
CLIQUE PARA AMPLIAR

O FRANGO ENSOPADO DA MINHA MÃE

Nina Horta

R$ 62,90

/ À vista

Apresentação

Duas décadas depois de Não é sopa, a grande cronista da cozinha brasileira volta com textos excepcionais que reúnem quitutes, memórias e saber viver.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

O frango ensopado da minha mãe

Nina Horta

R$ 62,90

Companhia de Mesa

Não é sopa (Nova edição)

Nina Horta

R$ 99,90

Companhia de Mesa

Sal, gordura, ácido, calor

Samin Nosrat

R$ 199,90

Preço total de

R$ 362,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia de Mesa

Não é sopa (Nova edição)

Nina Horta

R$ 99,90

Companhia de Mesa

Sal, gordura, ácido, calor

Samin Nosrat

R$ 199,90

Panelinha

A comida baiana de Jorge Amado

Paloma Jorge Amado

R$ 159,90

Companhia de Mesa

Cozinha confidencial

Anthony Bourdain

R$ 84,90

Companhia de Mesa

Comida de verdade

Yotam Ottolenghi

R$ 169,90

Indisponível

Companhia de Mesa

A química dos bolos

Joyce Galvão

R$ 149,90

Companhia de Mesa

O homem que comeu de tudo

Jeffrey Steingarten

R$ 84,90

Companhia de Mesa

Menu para a semana

Amanda Hesser

R$ 114,90

Zahar

Minha cozinha em Paris

David Lebovitz

R$ 122,90

Ficha Técnica

Título original: O frango ensopado da minha mãe Páginas: 288 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.347 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 14/10/2015
ISBN: 978-85-3592-639-2 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Duas décadas depois de Não é sopa, a grande cronista da cozinha brasileira volta com textos excepcionais que reúnem quitutes, memórias e saber viver.

Não é sopa, publicado pela Companhia das Letras em 1995, tornou-se em pouco tempo um clássico da literatura gastronômica brasileira. Além das generosas lições de sabedoria acumuladas à beira do fogão, o livro fascinava pela qualidade literária da autora, Nina Horta, que, até iniciar as colaborações semanais com a Folha de S.Paulo, em 1987, era reconhecida pela excelência de seu bufê, o Ginger. O encantamento provocado nos leitores pela nova colunista não escapou ao olho perspicaz do poeta Décio Pignatari, que endereçou uma carta ao "Painel do Leitor" do matutino paulista saudando um dos textos de Nina como "uma das mais surpreendentes peças literárias destes últimos tempos destes Brasis da prosa prosaica". Duas décadas depois, O frango ensopado da minha mãe faz uma nova reunião de textos inéditos em livro - também originalmente publicados na Folha de S.Paulo -, selecionados com a colaboração de Rita Lobo, discípula confessa de Nina Horta. Eles consolidam a presença da autora não apenas como referência na bibliografia gastronômica, o que já seria muito, mas também como lídima continuadora do melhor da tradição da crônica literária brasileira. Os textos de Nina pretendem falar sobre comida, mas falam de vida. De uma vida simples, rica em experiências e repetições que levam à sabedoria - do jeito que ela prefere a culinária: sem esnobaria e afetação. Bolo de noiva, sardinhas, torresmo e coca-cola são motivos suficientes para evocar a lembrança da revista semanal ilustrada O Cruzeiro, do cheiro do tomate pisado, dos guardanapos de François Vatel, das "varandas mineiras de poucas palavras e muita tosse". Família, amigos, cozinheiros, livros, filmes, lugares, nomes de pratos, modismos gastronômicos, dietas e cuidados alimentares contemporâneos - tudo serve para mobilizar a escrita afetuosa em tom de troca de receitas, a glosa sagaz de quem conhece muita coisa e as escolhas de quem chegou à plena liberdade. Como essa, por exemplo: "Deixem em paz o porco, esse poema". Uma sábia, essa Nina Horta.

Sobre o autor