Home | Livros | Companhia das Letras | DEPOIS A LOUCA SOU EU
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

DEPOIS A LOUCA SOU EU

Tati Bernardi

R$ 59,90

/ À vista

Apresentação

Com humor e escracho, Tati Bernardi relembra histórias de pânico, amor e tarja-preta.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Depois a louca sou eu

Tati Bernardi

R$ 59,90

Companhia das Letras

Você nunca mais vai ficar sozinha

Tati Bernardi

R$ 59,90

Companhia das Letras

Homem-objeto e outras coisas sobre ser mulher

Tati Bernardi

R$ 64,90

Preço total de

R$ 184,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

O povo contra a democracia

Yascha Mounk

R$ 99,90

Penguin-Companhia

David Copperfield

Charles Dickens

R$ 94,90

Clássicos Zahar

Os três mosqueteiros: edição bolso de luxo

Alexandre Dumas

R$ 89,90

Suma

O iluminado

Stephen King

R$ 129,90

Companhia das Letrinhas

Capitão Cueca e a invasão das incrivelmente malvadas tias da cantina de outro planeta e o ataque subsequente dos igualmente perversos zumbis nerds - Em cores!

Dav Pilkey

R$ 59,90

Penguin-Companhia

Confissões de santo Agostinho

Santo Agostinho

R$ 54,90

Companhia das Letras

Freud (1906-1909) - Obras completas volume 8

Sigmund Freud

R$ 119,90

Companhia de Bolso

Terra sonâmbula

Mia Couto

R$ 49,90

Ficha Técnica

Páginas: 144 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.216 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 19/02/2016
ISBN: 978-85-3592-657-6 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Com humor e escracho, Tati Bernardi relembra histórias de pânico, amor e tarja-preta.

O leitor de Tati Bernardi, que nem sempre está entre os milhões que os roteiros de suas comédias românticas amalucadas arrastam às telas, não demora a sentir a do inesperado nesta escritora impetuosa e original. À primeira vista estão ali os clichês da loquacidade histérica, a coragem implícita na condição exposta da mulher, "aberta a fungos e promessas". Autocompaixão e autocrítica se alternam em ritmo estonteante, que persegue o pulso cômico do exagero para exibir o reverso dos gêneros (o sexual e o da escrita feminista, ou pós-feminista) na forma de uma escatologia inédita, feita de cistites e constipações. Mas esta autora não é misógina, porque resvala antes na misantropia em geral, mostrando se adepta da mais drástica intensidade narrativa, como uma roteirista de telenovelas que fosse em segredo discípula, sei lá, de Kierkegaard. Raro ver, ainda mais na crônica, gênero que quase exige o diletantismo hesitante e a falta de assunto, tamanha pressa de dizer tanta coisa ardente sob as aparências do que o poeta popular chamou de "guizos falsos da alegria". Neste volume autobiográfico, porém, é como se a tampa da cabeça de Tati Bernardi fosse desatarraxada para que os fãs bisbilhotassem à vontade lá dentro. Revela-se que a vertigem alucinatória de sua prosa é produto tanto de fibrilação estilística quanto do estado natural do psiquismo da autora. Seu avô já tinha "a coisa", como sua avó dizia. Medo de ir, ela resume -- ataques de pânico, fobia a avião, a patas de barata, a vomitar, a cheiros, festa, a lugar fechado, a Ano-Novo. Sentir-se uma criança em carne viva. E então a maravilha do primeiro comprimido de Rivotril, "chuva fina que caiu sobre uma horta de manjericão fresco". Perto do desfecho do livro, quando já não há antidepressivo nem terapeuta que dê conta, a literatura aparece como medicina das almas, capaz de remediar o escritor autêntico e o leitor sincero. Pois, numa constatação inquietante mas tranquilizadora, "ninguém está bem". Otavio Frias Filho

Sobre o autor