Home | Livros | Companhia das Letras | O ROMANCE LUMINOSO
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

O ROMANCE LUMINOSO

Mario Levrero
Tradução: Antônio Xerxenesky

R$ 109,90

/ À vista
ou em até 2x no crédito de R$ 54,95

Apresentação

Considerado o principal romance latino-americano depois de 2666, de Roberto Bolaño, O romance luminoso é um romance sobre o desejo de escrever um romance. Um romance sobre manias, transtornos do sono, vício em computadores, hipocondria, o amor e a morte. Um romance sobre as experiências luminosas e sobre tudo aquilo que não se pode narrar.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

O romance luminoso

Mario Levrero

R$ 109,90

Alfaguara

Meridiano de sangue (Nova edição)

Cormac McCarthy

R$ 89,90

Companhia das Letras

Austerlitz

W. G. Sebald

R$ 79,90

Preço total de

R$ 279,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Alfaguara

Meridiano de sangue (Nova edição)

Cormac McCarthy

R$ 89,90

Companhia das Letras

A literatura nazista na América

Roberto Bolaño

R$ 69,90

Companhia das Letras

Austerlitz

W. G. Sebald

R$ 79,90

Indisponível

Companhia das Letras

Mac e seu contratempo

Enrique Vila-Matas

R$ 99,90

Companhia das Letras

Os detetives selvagens

Roberto Bolaño

R$ 109,90

Alfaguara

Vida e destino

Vassili Grossman

R$ 144,90

Ficha Técnica

Título original: La novela luminosa Páginas: 648 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.779 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 13/04/2018
ISBN: 978-85-3593-078-8 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Considerado o principal romance latino-americano depois de 2666, de Roberto Bolaño, O romance luminoso é um romance sobre o desejo de escrever um romance. Um romance sobre manias, transtornos do sono, vício em computadores, hipocondria, o amor e a morte. Um romance sobre as experiências luminosas e sobre tudo aquilo que não se pode narrar.

Considerado o principal romance latino-americano depois de 2666, de Roberto Bolaño, O romance luminoso é um romance sobre o desejo de escrever um romance. Um romance sobre manias, transtornos do sono, vício em computadores, hipocondria, o amor e a morte. Um romance sobre as experiências luminosas e sobre tudo aquilo que não se pode narrar.

No ano 2000, Mario Levrero recebeu uma bolsa da Fundação Guggenheim para terminar de escrever O romance luminoso. O livro tinha sido iniciado em 1984, na mesma época em que o autor, endividado, se mudou de Montevidéu para Buenos Aires à procura de trabalho. Com a bolsa, em vez de se dedicar ao romance, no entanto, Levrero se lançou à escrita febril de um diário da escrita do romance, diário este que se tornaria, ele mesmo, o seu magistral O romance luminoso. O livro narra em detalhes as confusões cotidianas de um homem de sessenta anos. Estão aqui todos os tiques de um narrador obsessivo tomado por fobias e superstições. Para o autor uruguaio, a possível transcendência só poderia surgir da repetição de manias que atribui à vida real sua condição de permanente adiamento. Assim, a procrastinação e a busca deste livro "luminoso" são a própria matéria de que são feitas as horas, e a aventura literária se insinua através de idas e vindas da espera simbolizada pelos relatórios irônicos do andamento do projeto ao "Sr. Guggenheim", por visitas amorosas, madrugadas insones em frente ao computador, a busca pelo significado dos sonhos, passeios pelas ruas de Montevidéu e advertências, prefácios, prólogos e epílogos.
"Um dia enfim abri O romance luminoso e fui com ele até a derrota final, incapaz de deixar de lado esse tão fascinante herói da escrita." -- Enrique Vila-Matas

"Enquanto seus contemporâneos continuavam publicando versões rotineiras do grande romance latino-americano, Levrero construía uma literatura nova; uma obra que via com ceticismo os caminhos do boom e que se opunha a toda pressão normalizadora. Ele não queria fundar ou confirmar ou refutar mitologias: queria escrever, somente, solitariamente." -- Alejandro Zambra

Sobre o autor