Home | Livros | Companhia das Letras | JOAQUIM DE ALMEIDA
CLIQUE PARA AMPLIAR

JOAQUIM DE ALMEIDA

A história do africano traficado que se tornou traficante de africanos

Luis Nicolau Parés

R$ 119,90

/ À vista
ou em até 2x no crédito de R$ 59,95

Apresentação

A história de Joaquim de Almeida, africano que enriqueceu com o tráfico de escravizados e se autoexilou no Benin. Sua prosperidade individual, porém, não significou nenhum abalo no regime de desigualdade de classe e de raça vigente. A despeito de quem o operasse, o sistema escravista sempre esteve a serviço dos interesses da classe senhorial branca.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Joaquim de Almeida

Luis Nicolau Parés

R$ 119,90

Companhia das Letras

Eva Braun

Heike B. Görtemaker

R$ 77,90

Companhia das Letras

O tribunal

Felipe Recondo e Luiz Weber

R$ 74,90

Preço total de

R$ 272,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

O centauro no jardim (Nova edição)

Moacyr Scliar

R$ 69,90

Indisponível

Companhia das Letras

O rei, o pai e a morte

Luis Nicolau Parés

R$ 87,90

Companhia das Letras

Grafias de vida -- a morte

Silviano Santiago

R$ 119,90

Companhia das Letras

A arte perdida das escrituras

Karen Armstrong

R$ 159,90

Companhia das Letras

O gaucho insofrível

Roberto Bolaño

R$ 69,90

Companhia das Letras

Viagem a Portugal (Edição especial)

José Saramago

R$ 199,90

Ficha Técnica

Páginas: 432 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.515 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 11/01/2024
ISBN: 978-85-3593-494-6 Selo: Companhia das Letras Capa: Alceu Chiesorin Nunes Ilustração:

SOBRE O LIVRO

A história de Joaquim de Almeida, africano que enriqueceu com o tráfico de escravizados e se autoexilou no Benin. Sua prosperidade individual, porém, não significou nenhum abalo no regime de desigualdade de classe e de raça vigente. A despeito de quem o operasse, o sistema escravista sempre esteve a serviço dos interesses da classe senhorial branca.

Joaquim de Almeida foi um africano relativamente bem situado numa sociedade na qual a condição "natural" dos seus era a de despossessão absoluta. Dentre os milhões de escravizados no Brasil, ele se tornou não apenas um homem rico, mas alguém que explorou o negócio mais rentável de seu tempo: o tráfico negreiro. No entanto, a Revolta dos Malês, em 1835, representaria um ponto de inflexão na sua história e de toda a comunidade de africanos que acumularam algum bem e se alforriaram, experimentando certa ascensão social em Salvador. A rebelião atiçou os medos que as elites brancas tinham da insurgência negra e instaurou o pavor de que aqui viesse a ser um novo Haiti. Além da repressão imediata e implacável, as autoridades promoveram campanha massiva de deportação dos libertos africanos.
Joaquim de Almeida não esperou; optou pelo autoexílio e levou consigo seu entorno social (mulheres, crianças, parentes, companheiros e agregados), gerando uma transplantação comunitária e de todo um modo de viver para a África. Sua trajetória ímpar abre a possibilidade de entender, de um lado, como o oprimido pode internalizar e reproduzir a ideologia hegemônica, tornando-se opressor. De outro, permite também captar um traço indelével da sociedade baiana -- e brasileira -- da época: o racismo antiafricano, que se metamorfosearia na forma peculiar do racismo antinegro na constituição da nacionalidade brasileira.

Sobre o autor