Home | Livros | Companhia das Letras | VIE EN CLOSE, LA
CLIQUE PARA AMPLIAR

VIE EN CLOSE, LA

Paulo Leminski

R$ 49,90

/ À vista

Apresentação

Edição avulsa de um dos livros mais cultuados do poeta.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

La vie en close

Paulo Leminski

R$ 49,90

Companhia das Letrinhas

O anjo da guarda do vovô

Jutta Bauer

R$ 64,90

Brinque-Book

A matemática do urso

Blandina Franco

R$ 64,90

Preço total de

R$ 179,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Big Loura e outras histórias de Nova York (Nova edição)

Dorothy Parker

R$ 79,90

Companhia das Letras

Eu vou, tu vais, ele vai

Jenny Erpenbeck

R$ 109,90

Companhia das Letras

O gosto da guerra (Edição revista e ampliada)

José Hamilton Ribeiro

R$ 99,90

Alfaguara

Um romance russo (Nova edição)

Emmanuel Carrère

R$ 89,90

Quadrinhos na Cia

Mulher, vida, liberdade

Vários autores

R$ 99,90

Companhia das Letras

O ouvidor do Brasil

Ruy Castro

R$ 69,90

Suma

Quem vai te ouvir gritar

Vários autores

R$ 84,90

Companhia das Letras

O país dos privilégios - Volume 1

Bruno Carazza

R$ 94,90

Ficha Técnica

Páginas: 192 Formato: 12.50 X 18.00 cm Peso: 0.163 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 25/06/2024
ISBN: 978-85-3593-789-3 Selo: Companhia das Letras Capa: Elisa von Randow Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Edição avulsa de um dos livros mais cultuados do poeta.

"Completa a obra/ o vento sopra/ e o tempo sobra". Publicado originalmente em 1991, dois anos depois da morte de Paulo Leminski, La vie en close foi organizado em uma tarde de setembro de 1988 pelo autor e pela poeta Alice Ruiz S.
Com a língua afiada e uma surpreendente habilidade de brincar com as palavras, criando rimas inesperadas e subvertendo clichês e ideias fixas, este livro é um elogio ao movimento e à mudança: "alguém parado/ é sempre suspeito/ de trazer como eu trago/ um susto preso no peito". E conclui: "parar dá azar".
O resultado é uma obra meditativa, que dialoga com as experimentações da poesia concreta, a coloquialidade da geração marginal e a filosofia da cultura oriental. Ao jogar luz sobre a vida, suas revelações e suas descobertas -- mas também suas dores e sua finitude --, o poeta curitibano traz a inteligência, o humor, a erudição e a sagacidade que se firmaram como suas marcas registradas: "vida que me venta/ sina que me brisa/ só te inventa/ quem te precisa".

Sobre o autor