Home | Livros | Alfaguara | BOA NOITE, AMAZONA
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

BOA NOITE, AMAZONA

Manoel Herzog

R$ 57,90

/ À vista

Apresentação

Com uma prosa ágil, ácida e irônica, Manoel Herzog desponta como uma das vozes mais distintas da literatura brasileira contemporânea. Em Boa noite, Amazona seu estilo único se alia a um personagem inusitado que reflete a dicotomia de um país.

Frequentemente comprados juntos

Alfaguara

Boa noite, Amazona

Manoel Herzog

R$ 57,90

Companhia das Letras

Amazona

Sérgio Sant'Anna

R$ 87,90

Alfaguara

Meridiano de sangue (Nova edição)

Cormac McCarthy

R$ 74,90

Preço total de

R$ 220,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Alfaguara

A jaca do cemitério é mais doce

Manoel Herzog

R$ 47,90

Alfaguara

Carta à rainha louca

Maria Valéria Rezende

R$ 62,90

Alfaguara

Arquivo das crianças perdidas

Valeria Luiselli

R$ 87,90

Alfaguara

Redemoinho em dia quente

Jarid Arraes

R$ 57,90

Indisponível

Alfaguara

O clube dos anjos (Nova edição)

Luis Fernando Verissimo

R$ 67,90

Alfaguara

Marrom e Amarelo

Paulo Scott

R$ 57,90

Alfaguara

Serotonina

Michel Houellebecq

R$ 69,90

Indisponível

Alfaguara

Todos os santos

Adriana Lisboa

R$ 59,90

Alfaguara

Cidade das garotas

Elizabeth Gilbert

R$ 72,90

Companhia das Letras

Sobre o autoritarismo brasileiro

Lilia Moritz Schwarcz

R$ 64,90

Alfaguara

A audácia dessa mulher (Nova edição)

Ana Maria Machado

R$ 72,90

Ficha Técnica

Páginas: 136 Formato: 15.00 X 23.40 cm Peso: 0.233 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 30/05/2019
ISBN: 978-85-5652-085-2 Selo: Alfaguara Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Com uma prosa ágil, ácida e irônica, Manoel Herzog desponta como uma das vozes mais distintas da literatura brasileira contemporânea. Em Boa noite, Amazona seu estilo único se alia a um personagem inusitado que reflete a dicotomia de um país.

O narrador desta "saga" amazônica é um economista de esquerda que trabalha para um grande banco privado. É contra o aborto e a pena de morte, mas se recusa a dar os mínimos direitos trabalhistas ao caseiro do sítio em que mora. Participa de confrarias e seitas, é membro da maçonaria. Diz ser humanista, mas perde a cabeça quando um mutuário de empréstimo consignado não consegue pagar as dívidas. Agora, aos 49 anos, passa por uma crise aguda. Divorciou-se da mulher, o pai morreu. Queria ser escritor, mas não consegue produzir nada digno de nota. Pelas madrugadas, acorda chutando os lençóis, e é diagnosticado com a chamada Síndrome das Pernas Inquietas.

Uma "bruxa-espanhola" lê seu destino no tarô e lhe diz que sua salvação está na floresta. É a partir daí, guiado pelas cartas, que ele decide empreender uma viagem ao coração da Amazônia, onde espera se perder – e se reencontrar.

Em Boa noite, Amazona, Manoel Herzog cria um romance original, que mergulha fundo nas dicotomias de um indivíduo e nos absurdos de um país.

Sobre o autor