Home | Livros | Alfaguara | A LÍNGUA SUBMERSA
CLIQUE PARA AMPLIAR

A LÍNGUA SUBMERSA

Manoel Herzog

R$ 74,90

/ À vista

Apresentação

Após um cataclisma ambiental, só uma região na América Latina sobreviveu ao avanço das águas: Bolivana-Zumbi. Sua classe média remanescente se reestruturou à base do comando evangélico, do jugo chinês e da obrigação de restaurar a natureza, mas segue com suas rixas e discriminações. O resultado é um livro épico, sobre a força da destruição humana.

Frequentemente comprados juntos

Alfaguara

A língua submersa

Manoel Herzog

R$ 74,90

Companhia das Letras

Engenheiro fantasma - Vencedor Jabuti 2023

Fabrício Corsaletti

R$ 54,90

Companhia das Letrinhas

Pão na chapa

Fabrício Corsaletti

R$ 54,90

Preço total de

R$ 184,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Caminhando com os mortos

Micheliny Verunschk

R$ 59,90

Indisponível

Alfaguara

Primeira pessoa do singular

Haruki Murakami

R$ 59,90

Companhia das Letras

Ninguém quis ver

Bruna Mitrano

R$ 59,90

Companhia das Letras

Ventos do Apocalipse

Paulina Chiziane

R$ 64,90

Clássicos Zahar

Até o último fantasma: edição bolso de luxo

Henry James

R$ 59,90

Companhia das Letras

Livro do desassossego (Edição revista e atualizada)

Fernando Pessoa

R$ 124,90

Ficha Técnica

Páginas: 216 Formato: 15.00 X 23.40 cm Peso: 0.329 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 05/06/2023
ISBN: 978-85-5652-170-5 Selo: Alfaguara Capa: Claudia Espínola de Carvalho Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Após um cataclisma ambiental, só uma região na América Latina sobreviveu ao avanço das águas: Bolivana-Zumbi. Sua classe média remanescente se reestruturou à base do comando evangélico, do jugo chinês e da obrigação de restaurar a natureza, mas segue com suas rixas e discriminações. O resultado é um livro épico, sobre a força da destruição humana.

"Quem nos governa é o medo da morte."


Este é um romance complexo e múltiplo, sem paralelos na literatura brasileira. Após uma catástrofe ambiental, a América Latina, ou o que sobrou dela, é agora a nação Bolivana-Zumbi, o "gigante dócil e inofensivo" onde a moeda se chama bênção e o poder dominante, fantoche dos desígnios chineses, é a Eclésia, gerida pela igreja evangélica Bola de Fogo. Aqui a natureza é a principal preocupação: é expressamente proibido desmatar e caçar animais silvestres, e os infratores pagam com a morte. Em Bolivana-Zumbi se fala o portunhol, pois o português se tornou a língua submersa -- e proibida.
Manoel Herzog nos leva, com contundência e um humor desconcertante, às entranhas dessa nova sociedade que habita as antigas regiões de Santos e Cubatão. Em pequenas sagas que se sobrepõem e se complementam, conhecemos um mundo novo e perturbador, onde a própria realidade é tecida de pesadelos.

Sobre o autor