Home | Livros | Penguin-Companhia | MADAME BOVARY
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

MADAME BOVARY

Costumes de província

Gustave Flaubert
Tradução: Mário Laranjeira

R$ 64,90

/ À vista

Apresentação

Madame Bovary, publicado pela primeira vez em 1856, ainda é uma história atual sobre desilusão, infidelidade e a busca da felicidade. Revolucionário em sua época, foi o primeiro romance a exprimir a extenuante busca de Gustave Flaubert pela perfeição.

Frequentemente comprados juntos

Penguin-Companhia

Madame Bovary

Gustave Flaubert

R$ 64,90

Penguin-Companhia

Hamlet

William Shakespeare

R$ 54,90

Penguin-Companhia

As flores do mal

Charles Baudelaire

R$ 79,90

Preço total de

R$ 199,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Penguin-Companhia

A educação sentimental

Gustave Flaubert

R$ 69,90

Penguin-Companhia

O vermelho e o negro

Stendhal

R$ 79,90

Penguin-Companhia

O retrato de Dorian Gray

Oscar Wilde

R$ 54,90

Penguin-Companhia

Grandes esperanças

Charles Dickens

R$ 69,90

Penguin-Companhia

Os miseráveis

Victor Hugo

R$ 139,90

Indisponível

Penguin-Companhia

David Copperfield

Charles Dickens

R$ 94,90

Ficha Técnica

Título original: Madame Bovary Páginas: 496 Formato: 13.00 X 20.00 cm Peso: 0.47 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 30/11/2011
ISBN: 978-85-6356-031-5 Selo: Penguin-Companhia Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Madame Bovary, publicado pela primeira vez em 1856, ainda é uma história atual sobre desilusão, infidelidade e a busca da felicidade. Revolucionário em sua época, foi o primeiro romance a exprimir a extenuante busca de Gustave Flaubert pela perfeição.

Madame Bovary, publicado pela primeira vez em 1856, ainda é uma história atual sobre desilusão, infidelidade e a busca da felicidade. Revolucionário em sua época, foi o primeiro romance a exprimir a extenuante busca de Gustave Flaubert pela perfeição.

Reconhecido por autores como Henry James como "o romance perfeito", Madame Bovary é a obra fundamental de Gustave Flaubert (1821-80). Trata-se de um raridade, mesmo em um clássico, um exercício meticuloso de escrita que igualmente desafiava as estruturas literárias e as convenções sociais. Não à toa, a época de lançamento o impacto foi duplo: um sucesso de público e a reação feroz do governo francês, que levou o autor a julgamento sob a acusação de imoralidade.
Flaubert inventou um estilo totalmente novo e moderno, praticando uma escrita que, ao longo dos cinco anos que levou para terminar o livro, literalmente avançou palavra a palavra. Cada frase devia refletir o esforço em obtê-la, sendo reescrita e reescrita ad infinitum. Mestre do realismo, o autor documenta a paisagem e o cotidiano da segunda metade do século XIX, ironizando os romances sentimentais e folhetins, gêneros que considerava obsoletos.
A história faz um ataque à burguesia, desmoralizando-a com a descrição exuberante de sua banalidade. Em um tempo em que as mulheres eram submissas, Emma Bovary encontra nos tolos romances dos livros o antídoto para o tédio conjugal e inaugura uma galeria de famosas esposas adúlteras atormentadas na literatura.

Sobre o autor