Home | Livros | Penguin-Companhia | MULHERZINHAS
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

MULHERZINHAS

Louisa May Alcott
Tradução: Julia Romeu

R$ 72,90

/ À vista

Apresentação

Livro que inspirou o filme Adoráveis mulheres, de Greta Gerwig. Edição da Penguin-Companhia traz as aventuras das quatro irmãs March com prefácios de Patti Smith e Elaine Showalter.

Frequentemente comprados juntos

Penguin-Companhia

Mulherzinhas

Louisa May Alcott

R$ 72,90

Penguin-Companhia

Mrs. Dalloway

Virginia Woolf

R$ 42,90

Penguin-Companhia

O grande Gatsby

F. Scott Fitzgerald

R$ 47,90

Preço total de

R$ 163,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Clássicos Zahar

Mulherzinhas: edição comentada e ilustrada

Louisa May Alcott

R$ 99,90

Indisponível

Penguin-Companhia

O corcunda de Notre-Dame

Victor Hugo

R$ 54,32

Penguin-Companhia

David Copperfield

Charles Dickens

R$ 62,32

Penguin-Companhia

Uma canção de Natal

Charles Dickens

R$ 44,90

Penguin-Companhia

Os miseráveis

Victor Hugo

R$ 119,90

Penguin-Companhia

Grandes esperanças

Charles Dickens

R$ 62,90

Indisponível

Ficha Técnica

Título original: Mulherzinhas Páginas: 592 Formato: 13.00 X 20.00 cm Peso: 0.664 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 09/01/2020
ISBN: 978-85-8285-098-5 Selo: Penguin-Companhia Capa: Cyla Costa Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Livro que inspirou o filme Adoráveis mulheres, de Greta Gerwig. Edição da Penguin-Companhia traz as aventuras das quatro irmãs March com prefácios de Patti Smith e Elaine Showalter.

Mulherzinhas é considerado um dos livros mais influentes de todos os tempos. Ultrapassando a barreira das idades, esse romance é lido com a mesma paixão por adultos e jovens. A história das irmãs March se tornou um clássico feminista que reflete sobre a tensão entre obrigação social e liberdade pessoal e artística para as mulheres.

Cada leitor terá sua irmã favorita: a independente Jo, a delicada Beth, a bela Meg ou a artista Amy. Essas quatro mulheres e sua mãe, Marmee, enfrentam com diligência e honra as privações da Guerra Civil americana, e se tornaram um sucesso instantâneo já em 1868.

"Muitos livros maravilhosos me fascinaram, mas, com Mulherzinhas, algo extraordinário aconteceu. Eu me reconheci, como num espelho, naquela menina comprida e teimosa que disputava corridas, rasgava as saias subindo nas árvores, falava gírias e denunciava as afetações sociais. Uma menina que podia ser encontrada encostada num enorme carvalho com um livro, ou em sua escrivaninha no sótão, debruçada sobre um manuscrito. Ela era Josephine March. [...] Uma menina americana do século XIX que teimava em ser moderna. Uma menina que escrevia. Como incontáveis meninas antes de mim, vi como modelo uma que não era como as outras, que possuía alma revolucionária, mas também noção de responsabilidade. Sua dedicação à sua arte me deu meu primeiro vislumbre do processo do escritor e fui tomada pelo desejo de abraçar essa vocação. Os passos em falso que ela dava, dos cômicos aos ousados, eram invejáveis, e me concediam permissão para dar os meus." -- Patti Smith