Home | Livros | Companhia das Letras | NIKETCHE (NOVA EDIÇÃO)
CLIQUE PARA AMPLIAR

NIKETCHE (NOVA EDIÇÃO)

Uma história de poligamia

Paulina Chiziane

R$ 79,90

/ À vista

Apresentação

Marco da literatura moçambicana, Niketche é uma obra que questiona as tradições e debate, como nunca antes, as condição feminina na sociedade. Esta é a obra-prima de Paulina Chiziane, vencedora do prêmio Camões 2021.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Niketche (Nova edição)

Paulina Chiziane

R$ 79,90

Companhia das Letras

Não me abandone jamais

Kazuo Ishiguro

R$ 79,90

Companhia das Letras

O som do rugido da onça - Vencedor Jabuti 2022

Micheliny Verunschk

R$ 69,90

Preço total de

R$ 229,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia de Bolso

Niketche (Edição de bolso)

Paulina Chiziane

R$ 59,90

Alfaguara

Corpo desfeito

Jarid Arraes

R$ 59,90

Companhia das Letras

Humanos exemplares

Juliana Leite

R$ 79,90

Companhia das Letras

Balada de amor ao vento

Paulina Chiziane

R$ 64,90

Companhia das Letras

Ensaio sobre a cegueira (Edição especial)

José Saramago

R$ 109,90

Companhia das Letras

O avesso da pele - Vencedor Jabuti 2021

Jeferson Tenório

R$ 74,90

Penguin-Companhia

A vida e as opiniões do cavalheiro Tristram Shandy (Nova edição)

Laurence Sterne

R$ 99,90

Companhia das Letras

Todas as letras (Nova edição ampliada)

Gilberto Gil

R$ 219,90

Companhia das Letras

O som do rugido da onça - Vencedor Jabuti 2022

Micheliny Verunschk

R$ 69,90

Companhia das Letras

Não me abandone jamais

Kazuo Ishiguro

R$ 79,90

Ficha Técnica

Páginas: 336 Formato: 16.00 X 23.00 cm Peso: 0.576 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 29/06/2022
ISBN: 978-65-5921-181-4 Selo: Companhia das Letras Capa: Angelo Abu Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Marco da literatura moçambicana, Niketche é uma obra que questiona as tradições e debate, como nunca antes, as condição feminina na sociedade. Esta é a obra-prima de Paulina Chiziane, vencedora do prêmio Camões 2021.

"Ninguém pode entender os homens. Como é que o Tony me despreza assim, se não tenho nada de errado em mim? [...] Dei-lhe amor, dei-lhe filhos com que ele se afirmou nesta vida. Sacrifiquei os meus sonhos pelos sonhos dele. Dei-lhe a minha juventude, a minha vida. Por isso afirmo e reafirmo, mulher como eu, na sua vida, não há nenhuma! Mesmo assim, sou a mulher mais infeliz do mundo." Esse é o desabafo de Rami, protagonista de Niketche, que depois de vinte anos de casamento descobre que seu marido está vivendo uma vida dupla -- ou melhor, quíntupla.
Em uma tentativa de salvar seu relacionamento e seguindo os moldes da sociedade em que vive, Rami se une às amantes de Tony e exige que ele se case também com as outras quatro mulheres, seguindo o costume da poligamia -- somente assim os direitos e a honra das cinco estaria garantido. Mas essa união provoca desdobramentos até então inimagináveis.
Nesta crítica ao mesmo tempo divertida e mordaz, Paulina Chiziane, vencedora do prêmio Camões de 2021, explora a cultura e os valores do seu país, a hipocrisia da sociedade em geral e a sujeição das mulheres em todo o mundo.

* Leitura obrigatória dos vestibulares da UNEB, UEL, UFRGS e Unicentro.

Sobre o autor