Home | Livros | Companhia das Letras | O MUNDO NÃO É CHATO
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

O MUNDO NÃO É CHATO

Caetano Veloso

Apresentação

Em textos escritos ao longo de toda sua carreira e selecionados pelo poeta Eucanaã Ferraz em revistas, contracapas de discos, jornais e conferências, o cantor e compositor Caetano Veloso fala de sua paixão pelo cinema, pela música, pela literatura e pelo teatro.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

O mundo não é chato

Caetano Veloso

R$ 74,90

Companhia das Letras

Verdade tropical (Edição Comemorativa)

Caetano Veloso

R$ 87,90

Companhia das Letrinhas

O lagarto

José Saramago

R$ 52,90

Preço total de

R$ 215,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Verdade tropical (Edição Comemorativa)

Caetano Veloso

R$ 87,90

Companhia das Letras

Letra só / Sobre as letras (2 volumes)

Caetano Veloso

R$ 87,90

Companhia das Letras

Narciso em férias

Caetano Veloso

R$ 67,90

Companhia das Letras

Todas as letras

Gilberto Gil

R$ 92,90

Indisponível

Companhia das Letras

Austerlitz

W. G. Sebald

R$ 72,90

Indisponível

Companhia das Letras

Guerra aérea e literatura

W. G. Sebald

R$ 54,90

Companhia das Letras

Clarice Lispector com a ponta dos dedos

Vilma Arêas

R$ 44,90

Indisponível

Ficha Técnica

Páginas: 368 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.46 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 04/11/2005
ISBN: 978-85-3590-748-3 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Em textos escritos ao longo de toda sua carreira e selecionados pelo poeta Eucanaã Ferraz em revistas, contracapas de discos, jornais e conferências, o cantor e compositor Caetano Veloso fala de sua paixão pelo cinema, pela música, pela literatura e pelo teatro.

Ninguém desconhece a importância de Caetano Veloso na história da música brasileira. Mas é provável que muitos se surpreendam com este livro, que confirma o perfil do Caetano escritor, trazido à luz em Verdade tropical (1998). O mundo não é chato reúne escritos para jornais, revistas, contracapas de discos ou que surgiram como prefácios e conferências, além de alguns textos inéditos.
Movido pelo vigor da observação, Caetano alia ao ponto de vista pessoal um inequívoco viés crítico e intelectual. Oswald de Andrade, Bob Dylan, Visconti, Pelé, Jimi Hendrix, Gilberto Gil, Glauber, Tom Jobim, Cazuza, Nelson Rodrigues, Fernando Pessoa, Elis Regina, Lorca são apenas alguns dos nomes que atravessam essas páginas. Deparamo-nos, então, com retratos, narrativas, interpretações e colagens que nascem tanto da admiração e da ternura comovida quanto da indignação, da ironia e da sátira.
O arco de tempo que o livro abrange não é pequeno: inclui textos antigos, quando Caetano Veloso era um jovem crítico de cinema em Santo Amaro da Purificação, até escritos de 2005. No entanto, muito mais que o amadurecimento de um artista-pensador, assistimos nesta caminhada um relato penetrante sobre o Brasil.

Sobre o autor