Home | Livros | Companhia das Letras | DEIXEI ELE LÁ E VIM
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

DEIXEI ELE LÁ E VIM

Elvira Vigna

R$ 54,90

/ À vista

Apresentação

Shirley Marlone mergulha na escuridão de uma praia deserta. Às suas costas, deixa um hotel cinco estrelas e os programas com turistas ricos. À sua frente, só existe a necessidade de inventar um novo dia. Não é a primeira vez. Não será a última.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Deixei ele lá e vim

Elvira Vigna

R$ 54,90

Companhia das Letras

O fim

Karl Ove Knausgård

R$ 179,90

Companhia das Letras

Poética

Ana Cristina Cesar

R$ 87,90

Preço total de

R$ 322,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

O que deu para fazer em matéria de história de amor

Elvira Vigna

R$ 54,90

Companhia das Letras

Como se estivéssemos em palimpsesto de putas

Elvira Vigna

R$ 62,90

Companhia das Letras

Coisas que os homens não entendem

Elvira Vigna

R$ 54,90

Indisponível

Companhia das Letras

Às seis em ponto

Elvira Vigna

R$ 52,90

Companhia das Letras

O assassinato de bebê martê

Elvira Vigna

R$ 42,90

Indisponível

Companhia das Letras

Para educar crianças feministas

Chimamanda Ngozi Adichie

R$ 42,90

Seguinte

Mentirosos - Sucesso no TikTok

E. Lockhart

R$ 54,90

Ficha Técnica

Título original: Deixei ele lá e vim Páginas: 152 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.224 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 26/09/2006
ISBN: 978-85-3590-903-6 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Shirley Marlone mergulha na escuridão de uma praia deserta. Às suas costas, deixa um hotel cinco estrelas e os programas com turistas ricos. À sua frente, só existe a necessidade de inventar um novo dia. Não é a primeira vez. Não será a última.

Uma morte, que todos sabem ter sido criminosa e todos dizem ter sido acidental, não muda a vida de quem matou ou apenas assistiu, nem a de quem adivinha o que houve mas prefere fingir que nada sabe. O que muda, na verdade, é uma noção estabelecida sobre narrativas ficcionais e sobre o papel de narradores, leitores e escritores. Como receber as informações de alguém que avisa que mente, sobre fatos cujo desfecho é preciso intuir? Não existe fronteira clara entre coisa inventada e a concretude de dados. Ou entre narrativa e descrição do ato de narrar: o narrador conta uma história em tempo real, enquanto, no computador, a escreve.
O leitor já não se enquadra na definição de receptor passivo de uma linguagem, é também participante ativo de um evento, ao decidir em quem ou em que deve acreditar. O cenário é a subida do Vidigal. Das ruas e locais da favela, citados no romance, aos trajetos e preços da Kombi comunitária; do nome das professoras que davam aulas na escola Almirante Tamandaré na época da infância da personagem Meire à história do morro narrada para os turistas, é tudo verdade. Há outras verdades, a serem descobertas pelo leitor.