Home | Livros | Companhia das Letras | RIMAS DA VIDA E DA MORTE
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

RIMAS DA VIDA E DA MORTE

Amós Oz
Tradução: Paulo Geiger

Apresentação

Com o tom cálido e a singular destreza narrativa que conquistaram milhões de leitores em todo o planeta, Amós Oz exalta neste pequeno livro o poder da ficção como meio de aproximação com o outro e antídoto à opacidade do mundo.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Rimas da vida e da morte

Amós Oz

R$ 54,90

Companhia de Bolso

O mesmo mar

Amós Oz

R$ 44,90

Companhia das Letras

Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques

R$ 49,90

Preço total de

R$ 149,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Cenas da vida na aldeia

Amós Oz

R$ 62,90

Companhia das Letras

De amor e trevas

Amós Oz

R$ 87,90

Companhia das Letras

O monte do mau conselho

Amós Oz

R$ 67,90

Seguinte

De repente nas profundezas do bosque

Amós Oz

R$ 54,90

Companhia das Letras

Pantera no porão

Amós Oz

R$ 57,90

Companhia das Letras

Não diga noite

Amós Oz

R$ 77,90

Companhia das Letras

Como curar um fanático

Amós Oz

R$ 47,90

Companhia das Letras

Conhecer uma mulher

Amós Oz

R$ 87,90

Ficha Técnica

Título original: Rhyming life and death Páginas: 120 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.186 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 12/09/2008
ISBN: 978-85-3591-315-6 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Com o tom cálido e a singular destreza narrativa que conquistaram milhões de leitores em todo o planeta, Amós Oz exalta neste pequeno livro o poder da ficção como meio de aproximação com o outro e antídoto à opacidade do mundo.

Um romancista medianamente famoso se prepara para dar uma palestra e participar de um debate sobre sua obra num centro cultural de bairro, em Tel Aviv. Enquanto faz hora num café, passa a imaginar uma história para cada indivíduo que vê à sua volta. A atraente garçonete que o serve, por exemplo, vira ex-namorada do goleiro reserva do time de futebol Bnei Iehudá. Dois homens que conversam numa mesa próxima se convertem, na sua fantasia, em mafiosos discutindo a situação de um terceiro homem, um ricaço que agora definha na UTI de um hospital.
A compulsão ficcional do escritor prossegue durante e após a palestra, resultando numa teia de histórias imaginárias que começam a se embaralhar com a trajetória do protagonista, a ponto de não sabermos, por exemplo, se ele foi ou não para a cama com a moça solitária que leu para o público trechos de suas obras no evento do centro cultural.
Ficção e realidade se confundem nesta narrativa singular e envolvente, cujo próprio título, Rimas da vida e da morte, é tirado do livro fictício de um autor também inventado, o poeta Tsefania Beit-Halachmi, cujos versos o protagonista e outros personagens vivem citando.
Com discrição e astúcia, Amós Oz parece nos dizer que por trás de cada indivíduo anônimo existe um manancial de dramas e comédias possíveis. Na sua dicção calorosa, de conversa íntima com o leitor, o autor israelense reafirma sua crença na literatura de imaginação como meio de conhecimento e de superação da distância entre os homens.