Home | Livros | Companhia das Letras | ANARQUISTAS, GRAÇAS A DEUS
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

ANARQUISTAS, GRAÇAS A DEUS

Zélia Gattai

R$ 84,90

R$ 72,17

/ À vista

Apresentação

Um retrato afetivo da vida em família na São Paulo do início do século XX.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Anarquistas, graças a Deus

Zélia Gattai

R$ 72,17

Companhia das Letras

Contos de horror do século XIX

Vários autores

R$ 89,90

Zahar

Novelas insólitas

Stefan Zweig

R$ 89,90

Preço total de

R$ 251,97

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Contos de horror do século XIX

Vários autores

R$ 89,90

Zahar

Novelas insólitas

Stefan Zweig

R$ 89,90

Companhia das Letras

Um chapéu para viagem

Zélia Gattai

R$ 72,17

Companhia das Letras

Senhora dona do baile

Zélia Gattai

R$ 76,42

Companhia das Letras

A casa do rio vermelho

Zélia Gattai

R$ 72,17

Companhia das Letras

Dona flor e seus dois maridos

Jorge Amado

R$ 99,90

Companhia das Letras

Grande sertão: veredas

João Guimarães Rosa

R$ 104,90

Ficha Técnica

Título original: Anarquistas, graças a Deus Páginas: 344 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.419 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 03/03/2009
ISBN: 978-85-3591-391-0 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Um retrato afetivo da vida em família na São Paulo do início do século XX.

Publicado em 1979 e transformado em minissérie da rede Globo em 1984, Anarquistas, graças a Deus é o livro de estréia de Zélia Gattai e seu primeiro grande sucesso.
Filha de anarquistas chegados de Florença, por parte do pai Ernesto, e de católicos originários do Vêneto, da parte da mãe Angelina, a escritora trazia no sangue o calor de seus livros. Trinta e quatro anos depois de se casar com Jorge Amado, a sempre apaixonada Zélia abandona a posição de coadjuvante no mundo literário e experimenta a própria voz para contar a saga de sua família.
É assim que ficamos conhecendo a intrépida aventura dos imigrantes italianos em busca da terra de sonhos, e o percurso interior da pequena Zélia na capital paulista - uma menina para quem a vida, mesmo nos momentos mais adversos ou indecifráveis, nunca perdeu o encanto. A determinação de seu Ernesto e a paixão pelos automóveis, a convivência diária com os irmãos e dona Angelina, os sábios conselhos da babá Maria Negra, as idas ao cinema, ao circo e à escola, as viagens em grupo, o avanço da cidade e da política - nestas crônicas familiares, vida e imaginação se embaralham, tendo como pano de fundo um Brasil que se moderniza sem, contudo, perder a magia.
Exímia contadora de histórias, Zélia as transforma em instrumento privilegiado para o resgate da memória afetiva. Foi Jorge Amado quem, um dia, lendo um conto de qualidade duvidosa que Zélia rascunhava, pescou essa veia de documental. Apontou-lhe o caminho e mostrou que ela se alimentava de sua rica ascendência familiar. Surge assim a Zélia memorialista, para quem a literatura provém não tanto da invenção, mas do trato apurado da memória e do desfiar cuidadoso, mas sem melindres, da intimidade.
Em suas mãos, a literatura se torna, mais que confissão, auscultação do mundo. É tendência para o registro e o testemunho, que cimentam não só um estilo quase clínico de observar a existência, mas uma maneira de existir. Pois é da persistência do espanto que Zélia, em resumo, trata. Se Jorge Amado foi uma espécie de biógrafo involuntário do Brasil, Zélia Gattai se afirma como a grande narradora de nossa história sentimental.

Sobre o autor