CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

SERENA

Ian McEwan
Tradução: Caetano W. Galindo

Apresentação

O prestigiado autor de Reparação retoma, no romance Serena, a discussão sobre os limites da literatura como instrumento de reelaboração da realidade.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Serena

Ian McEwan

R$ 62,90

Companhia das Letras

O silêncio

Don DeLillo

R$ 57,90

Alfaguara

A trégua

Mario Benedetti

R$ 64,90

Preço total de

R$ 185,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

A balada de Adam Henry

Ian McEwan

R$ 57,90

Indisponível

Companhia das Letras

A criança no tempo

Ian McEwan

R$ 72,90

Companhia das Letras

Amor sem fim

Ian McEwan

R$ 67,90

Indisponível

Companhia das Letras

Meu livro violeta

Ian McEwan

R$ 54,90

Companhia das Letras

Máquinas como eu

Ian McEwan

R$ 67,90

Companhia das Letras

Enclausurado

Ian McEwan

R$ 57,90

Indisponível

Companhia de Bolso

O jardim de cimento

Ian McEwan

R$ 42,90

Indisponível

Companhia de Bolso

Sábado

Ian McEwan

R$ 44,90

Indisponível

Ficha Técnica

Título original: Sweet tooth Páginas: 384 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.469 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 06/06/2012
ISBN: 978-85-3592-121-2 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

O prestigiado autor de Reparação retoma, no romance Serena, a discussão sobre os limites da literatura como instrumento de reelaboração da realidade.

Desde o sucesso do romance Reparação, a expectativa gerada por um lançamento de Ian McEwan é sempre imensa. Serena pode ser o livro que mais corresponde a essa expectativa, não só por se tratar mais uma vez de uma personagem feminina que revê um momento histórico relevante (aqui, o começo da década de 70), mas, sobretudo, por permitir que o leitor reviva a discussão sobre os limites da literatura como reelaboração da realidade.
Ao ser contratada pelo MI5, o Serviço Secreto Britânico, a protagonista Serena se vê como participante de uma mentira cujo objetivo é fomentar a criação de uma ficção. Isso porque ela é incumbida de estabelecer contato com um escritor a quem não pode contar que é uma espiã, nem que o dinheiro que ele passará a receber virá do Estado. Mas o contexto de toda essa armação é uma guerra muito real, num período bastante violento da história da Inglaterra, especialmente por causa da atividade do IRA.
E, para Serena, o caso envolve ainda sua vida pessoal, tanto no que se refere a seu antigo amante, que a introduziu no MI5, quanto no que se refere ao escritor que é vítima do ardil, por quem acaba se apaixonando. Ela é, portanto, agente e vítima, personagem e criadora, num romance em que todos esses papéis são questionados com fervor.
Ora, ao conhecermos a ficção de Tom Haley, o escritor que não sabe que está na folha de pagamento da Inteligência Britânica, já notamos essa curiosa relação entre o real e o fictício, mediada pelo criador. Mas será apenas quando concluirmos a leitura de Serena que teremos a verdadeira dimensão do grau que atingiu essa fusão, tanto na história que estamos lendo quanto na nossa relação com o livro e seus personagens.
A literatura experimental, questionadora, pode adotar várias máscaras. Nesse romance, Ian McEwan a veste nos trajes mais discretos e, talvez por isso mesmo, mais eficientes.

Sobre o autor