Home | Livros | Companhia das Letras | O QUE RESTA
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

O QUE RESTA

Lorenzo Mammì

R$ 92,90

/ À vista

Apresentação

Em reunião de ensaios, Lorenzo Mammì põe em questão o conceito de arte contemporânea, discute a autonomia do trabalho artístico e alça a novo patamar o debate sobre as artes visuais no Brasil.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

O que resta

Lorenzo Mammì

R$ 92,90

Companhia das Letras

Represálias selvagens

Peter Gay

R$ 62,90

Companhia das Letras

Dentro da baleia e outros ensaios

George Orwell

R$ 54,90

Preço total de

R$ 210,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Represálias selvagens

Peter Gay

R$ 62,90

Companhia das Letras

A fugitiva - Ensaios sobre música

Lorenzo Mammì

R$ 72,90

Companhia das Letras

A tinta da melancolia

Jean Starobinski

R$ 97,90

Companhia das Letras

Dentro da baleia e outros ensaios

George Orwell

R$ 54,90

Companhia das Letras

Contemplação / O foguista

Franz Kafka

R$ 52,90

Companhia das Letras

A literatura e os deuses

Roberto Calasso

R$ 57,90

Zahar

Antropologia cultural

Franz Boas

R$ 72,90

Ficha Técnica

Título original: O que resta Páginas: 416 Formato: 16.00 X 23.00 cm Peso: 0.656 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 22/10/2012
ISBN: 978-85-3592-182-3 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Em reunião de ensaios, Lorenzo Mammì põe em questão o conceito de arte contemporânea, discute a autonomia do trabalho artístico e alça a novo patamar o debate sobre as artes visuais no Brasil.

Esta coletânea reúne parte expressiva da produção ensaística de Lorenzo Mammì. Um dos nomes mais importantes da crítica cultural brasileira, Mammì traz pela primeira vez uma amostra representativa de sua produção, forjada ao longo dos últimos trinta anos.
Salvo duas exceções, um sobre Fred Astaire, outro sobre boxe, os ensaios centram foco nas artes visuais. Os seis primeiros, mais abrangentes, apresentam as linhas de força de seu pensamento, tais como a questão da autonomia da obra de arte. No restante do livro, os conceitos teóricos mais amplos são postos à prova em poéticas individuais - de Nuno Ramos, Paulo Pasta e José Resende até a obra do crítico italiano Giulio Carlo Argan, fonte central na formação de Mammì. "Isto, Aquilo e o Valor Disso", um dos ensaios de abertura do livro, exemplifica o alcance da reflexão de Mammì. A comparação entre dois trabalhos, um de Jasper Johns, outro de Kenneth Noland, leva-o a discutir como obras tão semelhantes podem ser situadas em categorias opostas: a primeira, moderna; a segunda, contemporânea.
"As bordas", ensaio mais longo do livro e, em parte, também inédito, é candidato à condição de clássico. O texto conduz à hipótese de que, a partir dos anos 1990, pode ter chegado ao fim o período conhecido como arte contemporânea, visto que "não há mais uma relação necessária, espontânea, entre práticas artísticas e formação de novos sujeitos sociais".
Não é exagero dizer que o debate sobre artes no Brasil é alçado a um novo patamar com a publicação desse livro.

Sobre o autor