Home | Livros | Companhia das Letras | O CINEMA NO SÉCULO
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

O CINEMA NO SÉCULO

Paulo Emílio Sales Gomes

R$ 99,90

/ À vista

Apresentação

A antologia engloba textos publicados em jornais e revistas de 1941 a 1970, dedicados aos grandes nomes do cinema e a movimentos nacionais e estrangeiros.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

O cinema no século

Paulo Emílio Sales Gomes

R$ 99,90

Companhia das Letras

Uma situação colonial?

Paulo Emílio Sales Gomes

R$ 119,90

Penguin-Companhia

Cinema e política

Paulo Emílio Sales Gomes

R$ 49,90

Preço total de

R$ 269,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Uma situação colonial?

Paulo Emílio Sales Gomes

R$ 119,90

Companhia das Letras

Três mulheres de três pppês

Paulo Emílio Sales Gomes

R$ 59,90

Companhia das Letras

Brasil em tempo de cinema

Jean-Claude Bernardet

R$ 69,90

Companhia das Letras

A odisseia do cinema brasileiro

Laurent Desbois

R$ 134,90

Companhia das Letras

Grande sertão: veredas

João Guimarães Rosa

R$ 94,41

Companhia das Letras

Caminhos de Kiarostami

Jean-Claude Bernardet

R$ 69,90

Companhia das Letras

Hitchcock / Truffaut : entrevistas

François Truffaut Helen Scott

R$ 129,90

Companhia das Letras

Um filme é para sempre

Ruy Castro

R$ 89,90

Indisponível

Ficha Técnica

Título original: O cinema no século Páginas: 616 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.734 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 30/03/2015
ISBN: 978-85-3592-553-1 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

A antologia engloba textos publicados em jornais e revistas de 1941 a 1970, dedicados aos grandes nomes do cinema e a movimentos nacionais e estrangeiros.

A exemplo do que ocorreu com as obras de Vinicius de Moraes, Paulo Mendes Campos, Erico Verissimo, Carlos Drummond de Andrade, Otto Lara Resende e Lygia Fagundes Telles, todos reeditados pela Companhia das Letras, a coleção Paulo Emílio traz programação visual atraente e moderna e prefácios e posfácios de autoria de críticos consagrados, além de outros aparatos editoriais que atualiza para o leitor de hoje, a força e a pertinência do autor. A curadoria da coleção Paulo Emílio Sales Gomes está a cargo de Carlos Augusto Calil, professor da Escola de Comunicações e Artes da USP, ex-aluno de Paulo Emílio e autor de diversos textos sobre o mestre. Deve-se a ele a organização dos volumes, a seleção dos textos críticos e a opção por dividi-los a partir de critérios temáticos. "O recorte temático garante legibilidade aos livros, aproxima o autor do público não familiarizado com sua obra", afirma Calil. Muitos dos textos reunidos neste volume tiveram origem numa possível programação da incipiente Cinemateca Brasileira, entidade que Paulo Emílio tentou implantar durante vinte anos e que até hoje o tem como patrono. O capítulo final reúne reflexões gerais sobre o fascínio exercido pelo cinema no século XX e sua inevitável - mas libertadora - decadência. Sergei Eisenstein, Charles Chaplin, D. W. Griffith, Orson Welles, Federico Fellini e Jean Renoir são alguns dos nomes que formam o panteão do crítico e que servem de objeto de análise a ele neste volume de textos iluminados e esclarecedores. Se hoje são nomes entronizados na estante de qualquer cinéfilo, na época em que Paulo Emílio escrevia suas obras eles estavam em pleno processo de consagração - e esses ensaios contribuíram de modo decisivo para esse processo no Brasil. São trabalhos que atestam o empenho militante de Paulo Emílio pelo cinema no país. Como lembra o crítico Sergio Augusto no texto de orelha deste volume, Paulo Emílio permaneceu fiel a seus ídolos até o fim da vida. "Sobre todos eles escreveu páginas magníficas, até hoje insuperáveis em língua portuguesa."

Sobre o autor