CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

A BARATA

Ian McEwan
Tradução: Jorio Dauster

R$ 47,90

/ À vista

Apresentação

Com sua inteligência e verve peculiares, Ian McEwan dá tratamento literário à experiência contemporânea de um mundo virado do avesso.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

A barata

Ian McEwan

R$ 47,90

Companhia das Letras

Máquinas como eu

Ian McEwan

R$ 67,90

Companhia das Letras

Reparação

Ian McEwan

R$ 87,90

Preço total de

R$ 203,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Máquinas como eu

Ian McEwan

R$ 67,90

Companhia das Letras

As pequenas virtudes

Natalia Ginzburg

R$ 57,90

Companhia das Letras

Meninos de Zinco

Svetlana Aleksiévitch

R$ 67,90

Indisponível

Companhia das Letras

A menininha do Hotel Metropol

Liudmila Petruchévskaia

R$ 77,90

Objetiva

Martinho Lutero

Lyndal Roper

R$ 91,92

Companhia das Letras

Enclausurado

Ian McEwan

R$ 57,90

Indisponível

Companhia das Letras

A balada de Adam Henry

Ian McEwan

R$ 57,90

Indisponível

Companhia das Letras

A criança no tempo

Ian McEwan

R$ 72,90

Ficha Técnica

Título original: The cockroach Páginas: 104 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.153 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 30/01/2020
ISBN: 978-85-3593-310-9 Selo: Companhia das Letras Capa: Claudia Espínola de Carvalho Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Com sua inteligência e verve peculiares, Ian McEwan dá tratamento literário à experiência contemporânea de um mundo virado do avesso.

A frase de abertura de A barata, o novo livro de Ian McEwan, é um evidente tributo à mais famosa obra de Franz Kafka, A metamorfose: "Naquela manhã, Jim Sams, inteligente mas de forma alguma profundo, acordou de um sonho inquieto e se viu transformado numa criatura gigantesca".

Por meio dessa divertida inversão, McEwan cria a trama desta deliciosa sátira política. Nela, Jim Sams é um inseto que, do dia para a noite, assume a forma humana de primeiro-ministro da Grã-Bretanha.

Sua missão é realizar a vontade do povo, expressa na aprovação da Lei do Reversalismo, que pretende remodelar o funcionamento da economia: as pessoas pagarão para trabalhar e ganharão dinheiro por consumir. Além de radical, a medida criaria uma enorme complicação na relação do Reino Unido com os demais países. Trata-se, é claro, de uma engenhosa metáfora para o Brexit.

Mas nada poderá deter o primeiro-ministro: nem a oposição, nem os dissidentes de seu próprio partido, nem mesmo as regras da democracia parlamentar.

Sobre o autor