Home | Livros | Companhia das Letras | AS SOBRAS DE ONTEM
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

AS SOBRAS DE ONTEM

Marcelo Vicintin

R$ 67,90

/ À vista

Apresentação

Ao retratar o Brasil através da degradação de sua elite econômica, Marcelo Vicintin constrói um livro singular, com altíssimo poder de capturar o leitor. Uma estreia surpreendente.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

As sobras de ontem

Marcelo Vicintin

R$ 67,90

Companhia das Letras

Solução de dois Estados

Michel Laub

R$ 57,90

Companhia das Letras

O que ela sussurra

Noemi Jaffe

R$ 57,90

Preço total de

R$ 183,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

O que ela sussurra

Noemi Jaffe

R$ 57,90

Companhia das Letras

Solução de dois Estados

Michel Laub

R$ 57,90

Companhia das Letras

O avesso da pele - Vencedor Jabuti 2021

Jeferson Tenório

R$ 72,90

Companhia das Letras

Você nunca mais vai ficar sozinha

Tati Bernardi

R$ 47,90

Objetiva

Antifrágil (Nova edição)

Nassim Nicholas Taleb

R$ 104,90

Companhia das Letras

Cartas extraordinárias: Amor

Shaun Usher

R$ 52,90

Companhia das Letras

Quem tem medo do feminismo negro?

Djamila Ribeiro

R$ 42,90

Companhia das Letras

Garota, mulher, outras

Bernardine Evaristo

R$ 87,90

Alfaguara

Redemoinho em dia quente

Jarid Arraes

R$ 46,32

Ficha Técnica

Páginas: 216 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.279 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 22/05/2020
ISBN: 978-85-3593-335-2 Selo: Companhia das Letras Capa: Alceu Chiesorin Nunes Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Ao retratar o Brasil através da degradação de sua elite econômica, Marcelo Vicintin constrói um livro singular, com altíssimo poder de capturar o leitor. Uma estreia surpreendente.

"Dizem que o dinheiro não muda ninguém, apenas desmascara; e é num mundo sem máscaras que as predileções humanas ficam mais claras." Esta é a síntese de um romance em que dois narradores privilegiados se alternam para contar cada um a sua história. Um deles é Egydio, herdeiro de uma empresa de navegação, que cumpre pena em prisão domiciliar após ser flagrado por uma força-tarefa da Polícia Federal; a outra é Marilu, espécie de arrivista em busca da imagem perfeita, mergulhada num presente frenético e incerto. São personagens que não buscam a simpatia do leitor, pelo contrário. Mas seu encanto está justamente no que neles há de corrompido. É necessário considerar as nuances da escrita – a meio caminho entre a paródia e a crítica, procurando abarcar um contexto muito mais amplo, o do Brasil desse início de anos 2020 – para que se possa adentrar no coração desta que, sem dúvida, é uma das estreias literárias mais corrosivas e corajosas dos últimos anos.

"Falar da elite brasileira sem caricatura, tentando entender os afetos que geram sua degradação privada e pública no passado e no presente, já seria algo raro na nossa literatura. Mas a estreia de Marcelo Vicintin vai além, acrescentando a esse ponto de vista sabor, humor e habilidade narrativa." – Michel Laub



"É com maturidade incomum que Marcelo Vicintin conduz este que não parece em absoluto um romance de estreia. É uma estreia sem hesitação, que não procura evitar os desafios impostos por uma trama e uma estrutura intrincadas." – Camila von Holdefer

Sobre o autor