Home | Livros | Companhia das Letras | CAIXA-PRETA: ESCREVENDO A RAÇA
CLIQUE PARA AMPLIAR

CAIXA-PRETA: ESCREVENDO A RAÇA

Henry Louis Gates Jr.
Tradução: floresta

R$ 84,90

/ À vista

Apresentação

Um dos mais respeitados pesquisadores em culturas afro-americanas faz um balanço magnífico de como os negros dos Estados Unidos usaram a escrita para resistir às mentiras do racismo. Henry Louis Gates Jr. retrata de maneira comovente aqueles que nunca deixaram ninguém lhes dizer como exercer sua negritude.

Você pode gostar também de

Zahar

O Ocidente

Naoíse Mac Sweeney

R$ 119,90

Companhia das Letras

Da próxima vez, o fogo

James Baldwin

R$ 69,90

Companhia das Letras

Domingos Sodré, um sacerdote africano (Edição revista e ampliada)

João José Reis

R$ 124,90

Objetiva

Capitalismo destrutivo

Quinn Slobodian

R$ 99,90

Penguin-Companhia

Novelas exemplares

Miguel de Cervantes

R$ 89,90

Companhia das Letras

Vento em setembro

Tony Bellotto

R$ 94,90

Companhia das Letras

Americanah (Edição comemorativa de 10 anos)

Chimamanda Ngozi Adichie

R$ 129,90

Ficha Técnica

Título original: The Black Box Páginas: 248 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.316 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 28/06/2024
ISBN: 978-85-3593-787-9 Selo: Companhia das Letras Capa: Mariana Metidieri Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Um dos mais respeitados pesquisadores em culturas afro-americanas faz um balanço magnífico de como os negros dos Estados Unidos usaram a escrita para resistir às mentiras do racismo. Henry Louis Gates Jr. retrata de maneira comovente aqueles que nunca deixaram ninguém lhes dizer como exercer sua negritude.

A caixa-preta é uma figura recorrente na literatura afro-americana. É uma metáfora para o aprisionamento do racismo, que inviabiliza o alcance da liberdade mas não consegue frear essa busca incessante; matéria que permeia a experiência em toda diáspora africana e sua frutífera tradição literária. Neste estudo, Henry Louis Gates Jr. se detém à história dos Estados Unidos, mas suas reflexões ecoam no solo brasileiro.
Pelo menos desde o século XVIII, aponta o professor, há tentativas consistentes de expressar e moldar a realidade negra. Em 1773, Phillis Wheatley torna-se a primeira poeta afro-americana a ser publicada e, em 1845, o abolicionista Frederick Douglass lança sua impactante autobiografia. A corrente literária segue ao longo dos séculos com W.E.B. Du Bois, Booker T. Washington, Zora Neale Hurston, Richard Wright, James Baldwin e Toni Morrison, primeira mulher negra a ganhar um prêmio Nobel de Literatura, em 1993. Todos eles usaram a escrita para criar um mundo habitável --- um lar -- para si e para os seus.
A raça, conceito usado para desumanizar africanos e justificar a escravidão, é incorporada à literatura como o sedimento de uma comunidade cujas resistência e transcendência estão no cerne de sua autodefinição. Desse terreno contestado floresceu uma cultura resiliente, criativa e diversificada, formada por pessoas que muitas vezes discordaram sobre o que significa ser negro.
Caixa-preta: Escrevendo a raça retrata não só um movimento literário, mas a criação de uma comunidade.


"O fascínio deste livro está na sua insistência de que um levantamento da história afro-americana é incompleto sem uma consideração especial de como a escrita a sustentou." -- The New York Times


"Um estudo da arte e das contradições que definem a formação de um povo." -- Elle


"Uma crônica multifacetada e esclarecedora. Um apelo para proteger a livre troca de ideias na sala de aula e fora dela." -- Booklist

Sobre o autor