Home | Livros | Alfaguara | MORTE E VIDA SEVERINA
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

MORTE E VIDA SEVERINA

João Cabral de Melo Neto

R$ 69,90

/ À vista

Apresentação

Publicado pela primeira vez há sessenta anos, o poema mais conhecido de João Cabral mudou os rumos da poesia no Brasil.

Frequentemente comprados juntos

Alfaguara

Morte e vida Severina

João Cabral de Melo Neto

R$ 69,90

Companhia das Letras

Grande sertão: veredas

João Guimarães Rosa

R$ 99,90

Companhia das Letras

Lavoura arcaica

Raduan Nassar

R$ 62,90

Preço total de

R$ 232,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Quadrinhos na Cia

Scott Pilgrim contra o mundo, vol.2

Bryan Lee O'Malley

R$ 50,32

Companhia das Letras

O homem que confundiu sua mulher com um chapéu

Oliver Sacks

R$ 82,90

Zahar

Outros escritos

Jacques Lacan

R$ 179,90

Alfaguara

Tempos ásperos

Mario Vargas Llosa

R$ 69,90

Companhia das Letras

Memorial do Convento (Nova edição)

José Saramago

R$ 72,90

Zahar

Linguagem do espírito

Jan Swafford

R$ 104,90

Clássicos Zahar

Alice: edição bolso de luxo

Lewis Carroll

R$ 52,90

Indisponível

Alfaguara

Marrom e Amarelo

Paulo Scott

R$ 57,90

Clássicos Zahar

Um estudo em vermelho: edição bolso de luxo

Arthur Conan Doyle

R$ 52,90

Alfaguara

Morte e vida Severina

João Cabral de Melo Neto

R$ 57,90

Ficha Técnica

Páginas: 112 Formato: 15.00 X 23.00 cm Peso: 0.319 kg Acabamento: Livro capa dura Lançamento: 24/08/2016
ISBN: 978-85-5652-020-3 Selo: Alfaguara Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Publicado pela primeira vez há sessenta anos, o poema mais conhecido de João Cabral mudou os rumos da poesia no Brasil.

Publicado pela primeira vez há sessenta anos, o poema mais conhecido de João Cabral mudou os rumos da poesia no Brasil.

Um dos poemas mais populares de João Cabral de Melo Neto, "Morte e vida severina" dá voz aos retirantes nordestinos e ao rio Capibaripe, em cenas fortes e contundentes. Clara crítica social, o autor descreve a viagem de um sertanejo chamado Severino, que sai de sua terra natal em busca de melhores condições de vida. Durante a jornada, Severino se encontra tantas vezes com a Morte que, desiludido e impotente, percebe que a luta é inútil -- como ele, tantos outros severinos padecem com a miséria e o abandono. Apenas o nascimento de um bebê, uma criança-severina, renova as esperanças e o espírito cansado daquele que já não tinha motivos para continuar a viver.

Com apresentação de Antonio Carlos Secchin, depoimento de Chico Buarque e texto de Alceu Amoroso Lima.

* Leitura obrigatória dos vestibulares da UFPR e UNICENTRO.

Sobre o autor