Home | Livros | Penguin-Companhia | O JORNAL E O LIVRO
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

O JORNAL E O LIVRO

Machado de Assis

R$ 34,90

/ À vista

Apresentação

Esta seleção de textos pouco conhecidos de Machado de Assis revela as reflexões de um escritor preocupado com a literatura, o teatro, o papel da imprensa, entre outros temas que foram importantes para sua época e que continuam a ser discutidos nos dias de hoje.

Frequentemente comprados juntos

Penguin-Companhia

O jornal e o livro

Machado de Assis

R$ 34,90

Penguin-Companhia

Que é o abolicionismo?

Joaquim Nabuco

R$ 34,90

Penguin-Companhia

Manifesto Antropófago e outros textos

Oswald de Andrade

R$ 37,90

Preço total de

R$ 107,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Penguin-Companhia

Máximas, pensamentos e ditos agudos

Machado de Assis

R$ 37,90

Penguin-Companhia

Crônicas escolhidas

Machado de Assis

R$ 49,90

Penguin-Companhia

Que é o abolicionismo?

Joaquim Nabuco

R$ 34,90

Penguin-Companhia

Manifesto Antropófago e outros textos

Oswald de Andrade

R$ 37,90

Penguin-Companhia

O mal-estar na civilização

Sigmund Freud

R$ 39,90

Indisponível

Penguin-Companhia

As ideias fora do lugar

Roberto Schwarz

R$ 37,90

Indisponível

Penguin-Companhia

O Estado como obra de arte

Jacob Burckhardt

R$ 34,90

Ficha Técnica

Título original: O jornal e o livro Páginas: 80 Formato: 13.00 X 20.00 cm Peso: 0.086 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 30/11/2011
ISBN: 978-85-6356-035-3 Selo: Penguin-Companhia Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Esta seleção de textos pouco conhecidos de Machado de Assis revela as reflexões de um escritor preocupado com a literatura, o teatro, o papel da imprensa, entre outros temas que foram importantes para sua época e que continuam a ser discutidos nos dias de hoje.

Os textos reunidos neste volume representam uma faceta ainda pouco difundida da obra de Machado de Assis. O romancista, contista, poeta e teatrólogo, autor de numerosas obras-primas da literatura brasileira, cede lugar ao crítico rigoroso e ao cronista atento aos temas culturais mais importantes de seu tempo. As intervenções de Machado no debate público sobre literatura fornecem juízos valiosos sobre sua própria evolução como escritor e intelectual. Publicadas na imprensa carioca entre as décadas de 1850 e 1870, estas amostras do pensamento crítico do futuro autor de Memórias póstumas de Brás Cubas permitem identificar algumas das linhas mestras da primeira fase de sua produção: a recusa enfática do realismo de Émile Zola e Eça de Queirós, a publicação seriada de contos e romances no formato de folhetim e, sobretudo, a aguda consciência de escrever num país cuja recente independência política ainda não havia se consumado numa efetiva independência literária.

Sobre o autor