Home | Livros | Companhia das Letras | EICHMANN EM JERUSALÉM
CLIQUE PARA AMPLIAR

EICHMANN EM JERUSALÉM

Hannah Arendt
Tradução: José Rubens Siqueira

R$ 84,90

R$ 72,17

/ À vista

Apresentação

Numa mescla brilhante de jornalismo político e reflexão filosófica, Arendt acompanha o julgamento do nazista Adolf Eichmann e elabora o conceito de "banalidade do mal", ameaça maior às sociedades democráticas.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Eichmann em Jerusalém

Hannah Arendt

R$ 72,17

Companhia de Bolso

Origens do totalitarismo

Hannah Arendt

R$ 79,90

Companhia de Bolso

Homens em tempos sombrios

Hannah Arendt

R$ 59,90

Preço total de

R$ 211,97

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Contos completos

Liev Tolstói

R$ 239,90

Companhia de Bolso

Capitães da areia

Jorge Amado

R$ 54,90

Companhia das Letras

Notas sobre a pandemia

Yuval Noah Harari

R$ 49,90

Companhia das Letras

Sejamos todos feministas

Chimamanda Ngozi Adichie

R$ 44,90

Indisponível

Companhia das Letras

Um intelectual na política

Fernando Henrique Cardoso

R$ 89,90

Pequena Zahar

Diário de Pilar na África

Flávia Lins E Silva

R$ 59,90

Indisponível

Paralela

Amor(es) verdadeiro(s)

Taylor Jenkins Reid

R$ 64,90

Companhia das Letras

O olho mais azul (Nova edição)

Toni Morrison

R$ 71,91

Companhia das Letrinhas

As aventuras do Capitão Cueca - Em cores!

Dav Pilkey

R$ 54,90

Ficha Técnica

Título original: Eichmann in Jerusalem Páginas: 344 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.415 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 16/12/1999
ISBN: 978-85-7164-962-0 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Numa mescla brilhante de jornalismo político e reflexão filosófica, Arendt acompanha o julgamento do nazista Adolf Eichmann e elabora o conceito de "banalidade do mal", ameaça maior às sociedades democráticas.

Em 1960, seqüestrado num subúrbio de Buenos Aires por um comando israelense, Adolf Eichmann é levado para Jerusalém, para o que deveria ser o maior julgamento de um carrasco nazista depois do tribunal de Nuremberg. Mas, durante o processo, em vez do monstro sanguinário que todos esperavam ver, surge um funcionário medíocre, um arrivista incapaz de refletir sobre seus atos ou de fugir aos clichês burocráticos. É justamente aí que o olhar lúcido de Hannah Arendt descobre a "banalidade do mal", ameaça maior às sociedades democráticas. Numa mescla brilhante de jornalismo político e reflexão filosófica, Arendt investiga questões sempre atuais, como a capacidade do Estado de transformar o exercício da violência homicida em mero cumprimento de metas e organogramas.

Sobre o autor