Home | Livros | Penguin-Companhia | A ORIGEM DA DESIGUALDADE ENTRE OS HOMENS
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

A ORIGEM DA DESIGUALDADE ENTRE OS HOMENS

Jean-Jacques Rousseau
Previsão de reimpressão: 04/2024

Apresentação

A matriz do pensamento moral e político de Rousseau em um dos documentos mais revolucionários do século XVIII.

Frequentemente comprados juntos

Penguin-Companhia

A origem da desigualdade entre os homens

Jean-Jacques Rousseau

R$ 44,90

Penguin-Companhia

Do contrato social ou Princípios do Direito Político

Jean-Jacques Rousseau

R$ 49,90

Penguin-Companhia

A desobediência civil

Henry David Thoreau

R$ 39,90

Preço total de

R$ 134,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Penguin-Companhia

Do contrato social ou Princípios do Direito Político

Jean-Jacques Rousseau

R$ 49,90

Indisponível

Penguin-Companhia

A desobediência civil

Henry David Thoreau

R$ 39,90

Penguin-Companhia

A mão invisível

Adam Smith

R$ 39,90

Penguin-Companhia

Sobre a liberdade / a sujeição das mulheres

John Stuart Mill

R$ 54,90

Penguin-Companhia

O mal-estar na civilização

Sigmund Freud

R$ 39,90

Penguin-Companhia

Sobre a brevidade da vida / Sobre a firmeza do sábio

Sêneca

R$ 39,90

Penguin-Companhia

Manifesto Antropófago e outros textos

Oswald de Andrade

R$ 39,90

Penguin-Companhia

Manifesto do partido comunista

Karl Marx Friedrich Engels

R$ 44,90

Ficha Técnica

Título original: A origem da desigualdade entre os homens Páginas: 144 Formato: 13.00 X 20.00 cm Peso: 0.144 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 27/10/2017
ISBN: 978-85-8285-062-6 Selo: Penguin-Companhia Ilustração:

SOBRE O LIVRO

A matriz do pensamento moral e político de Rousseau em um dos documentos mais revolucionários do século XVIII.

A matriz do pensamento moral e político de Rousseau em um dos documentos mais revolucionários do século XVIII.
Este notável clássico da filosofia política foi escrito por Rousseau para atender à questão posta pela Academia de Dijon -- "Qual é a origem da desigualdade entre os homens e se ela é legitimada pela lei natural". Em sua resposta, o filósofo se pergunta em primeiro lugar "o que é o homem?". Para tanto, remonta à ideia de estado de natureza, para em seguida evidenciar o quanto a humanidade se afastou dele e, assim, fixar o cerne do problema da desigualdade entre os homens.
Segundo Rousseau, o crescimento da civilização corrompe a felicidade natural do homem e sua liberdade ao criar desigualdades artificiais de riqueza, poder e privilégios sociais. Alvo de duras críticas ao longo dos séculos, este discurso se mantém tão atual e polêmico quanto o foi em 1755.

Sobre o autor