Home | Livros | Zahar | LONGE, MUITO LONGE
CLIQUE PARA AMPLIAR

LONGE, MUITO LONGE

Manoel Benício dos Passos, um capoeira no ativismo do pós-abolição

Walter Fraga

R$ 99,90

/ À vista

Apresentação

A extraordinária trajetória do capoeira baiano Manoel Benício dos Passos, representação encarnada do ativismo político negro e popular em um momento crucial da história do Brasil.

Frequentemente comprados juntos

Zahar

Longe, muito longe

Walter Fraga

R$ 99,90

Companhia das Letras

A mulher ruiva

Orhan Pamuk

R$ 74,90

Companhia das Letras

A nova era do império

Kehinde Andrews

R$ 89,90

Preço total de

R$ 264,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

A canção da célula

Siddhartha Mukherjee

R$ 104,90

Zahar

Como os artistas veem o mundo

Will Gompertz

R$ 99,90

Companhia das Letras

O Jardim das Hespérides

Laura de Mello e Souza

R$ 89,90

Suma

Canções de um sonhador morto & Escriba-sinistro

Thomas Ligotti

R$ 109,90

Alfaguara

Café Majestic

Stéfanie Sande

R$ 64,90

Zahar

O contrato racial

Charles W. Mills

R$ 74,90

Zahar

Estranhos a nós mesmos

Rachel Aviv

R$ 84,90

Zahar

Manifesto antimaternalista

Vera Iaconelli

R$ 49,90

Ficha Técnica

Páginas: 376 Formato: 16.00 X 23.00 cm Peso: 0.575 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 24/08/2023
ISBN: 978-65-5979-118-7 Selo: Zahar Capa: Alceu Chiesorin Nunes Ilustração:

SOBRE O LIVRO

A extraordinária trajetória do capoeira baiano Manoel Benício dos Passos, representação encarnada do ativismo político negro e popular em um momento crucial da história do Brasil.

Em 13 de maio de 1888, a esmagadora maioria da população negra não vivia mais sob o status legal de escrava; era livre ou liberta. Com a Lei Áurea, as elites jogavam a toalha diante de um processo irreversível, e que haviam feito de tudo para retardar. Restava decidir sobre o sistema político: monarquia ou república? Qual dos dois regimes serviria melhor à nação?
A população negra liderava a política das ruas e conduziu um intenso debate sobre esta questão em suas esferas públicas alternativas. A capoeiragem era um desses espaços, e Manuel Benício dos Passos, capoeira e agitador político, seu intérprete e porta-voz.
Ele se notabilizou por performances públicas nas quais lia e discutia o noticiário político da época. Seus discursos ganharam os jornais. Talentoso com a palavra, poderia ter se tornado um político, um advogado, um jornalista. Porém, tido por louco ou desordeiro, foi preso várias vezes. Morreu jovem, aos 36 anos.
"Longe, muito longe" é uma expressão do líder abolicionista André Rebouças. Ela remete aos tempos áureos sonhados pela população negra naquele maio de 1888. Eram tempos que, de fato, pareciam estar muito longe, se é que chegariam. A vida de Manoel Benício dos Passos dá testemunho disso e sugere que aquela história segue perto, muito perto de nós.

Sobre o autor