Home | Livros | Companhia das Letras | A DESCOBERTA DA AMÉRICA PELOS TURCOS
CLIQUE PARA AMPLIAR

A DESCOBERTA DA AMÉRICA PELOS TURCOS

Jorge Amado

Apresentação

Narrativa breve e bem-humorada sobre como o sangue árabe - ou "turco" - ajudou a compor a mistura brasileira, contribuindo para a formação de um povo sensual, alegre e trabalhador. Posfácio de José Saramago.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

A descoberta da América pelos turcos

Jorge Amado

R$ 69,90

Companhia das Letras

Tieta do Agreste

Jorge Amado

R$ 109,90

Companhia das Letras

Cacau

Jorge Amado

R$ 79,90

Preço total de

R$ 259,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

O sumiço da santa

Jorge Amado

R$ 99,90

Indisponível

Companhia das Letras

Tieta do Agreste

Jorge Amado

R$ 109,90

Companhia das Letras

Dona flor e seus dois maridos

Jorge Amado

R$ 99,90

Companhia das Letras

Tereza Batista cansada de guerra

Jorge Amado

R$ 99,90

Indisponível

Companhia das Letras

Os pastores da noite

Jorge Amado

R$ 94,90

Companhia das Letras

Tenda dos milagres

Jorge Amado

R$ 94,90

Companhia das Letras

Bahia de todos-os-santos

Jorge Amado

R$ 99,90

Companhia das Letras

O país do carnaval

Jorge Amado

R$ 79,90

Companhia das Letras

Terras do sem-fim

Jorge Amado

R$ 79,90

Ficha Técnica

Título original: A descoberta da américa pelos turcos Páginas: 128 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.198 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 26/06/2008
ISBN: 978-85-3591-240-1 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

Narrativa breve e bem-humorada sobre como o sangue árabe - ou "turco" - ajudou a compor a mistura brasileira, contribuindo para a formação de um povo sensual, alegre e trabalhador. Posfácio de José Saramago.

O sírio Jamil Bichara e o libanês Raduan Murad desembarcam na Bahia em 1903 e se instalam na região grapiúna, litoral sul da Bahia, eldorado do cacau. O jovem e trabalhador Jamil abre um empório em Itaguassu. O experiente e boêmio Raduan prefere Itabuna. Ali, nova oportunidade de "fazer a América" se apresenta ao "turco" Jamil: o comerciante Ibrahim Jafet quer casar sua primogênita - a feiosa, ácida e "incólume" Adma. Em troca, oferece sociedade no armarinho O Barateiro.
A descoberta da América pelos turcos, escrito no início dos anos 90, por ocasião do quinto centenário da descoberta do continente americano, revisita a formação da cultura cacaueira e do povo brasileiro, essencialmente mestiço. No posfácio, José Saramago qualifica a obra como "prodígio da arte de narrar"e a compara à tradição picaresca, em que se combinam a violência, o humor, a inocência e a astúcia.