Home | Livros | Companhia das Letras | NOVA ANTOLOGIA PESSOAL
CLIQUE PARA AMPLIAR
Ler um trecho

R$ 84,90

/ À vista

Apresentação

A perplexidade metafísica, a memória dos mortos, as imagens cifradas de uma língua do passado - esses e outros temas aparecem nesta antologia que traz o melhor da obra do escritor argentino.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Nova antologia pessoal

Jorge Luis Borges

R$ 84,90

Companhia das Letras

História da eternidade

Jorge Luis Borges

R$ 69,90

Companhia das Letras

Borges oral & sete noites

Jorge Luis Borges

R$ 74,90

Preço total de

R$ 229,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

História da eternidade

Jorge Luis Borges

R$ 69,90

Companhia das Letras

Borges oral & sete noites

Jorge Luis Borges

R$ 74,90

Indisponível

Companhia das Letras

O Martín Fierro, Para as seis cordas & Evaristo Carriego

Jorge Luis Borges

R$ 79,90

Companhia das Letras

História universal da infâmia (1935)

Jorge Luis Borges

R$ 59,90

Companhia das Letras

Nove ensaios dantescos & a memória de Shakespeare

Jorge Luis Borges

R$ 59,90

Companhia das Letras

O livro dos seres imaginários

Jorge Luis Borges

R$ 89,90

Indisponível

Companhia das Letras

Antologia pessoal

Jorge Luis Borges

R$ 64,90

Indisponível

Companhia das Letras

O livro de areia

Jorge Luis Borges

R$ 69,90

Indisponível

Ficha Técnica

Título original: Nova antologia pessoal Páginas: 344 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.429 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 02/05/2013
ISBN: 978-85-3592-242-4 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

A perplexidade metafísica, a memória dos mortos, as imagens cifradas de uma língua do passado - esses e outros temas aparecem nesta antologia que traz o melhor da obra do escritor argentino.

A Nova antologia pessoal foi organizada pelo próprio Borges e publicada pela primeira vez em 1968. A coletânea reúne ensaios, poemas e prosa de ficção que o autor vinha publicando desde os anos 1930, entre os quais alguns de seus trabalhos mais célebres, como os contos "A Intrusa" e "Tlön, Uqbar, Orbis Tertius" e os poemas "Everness" e "Junin". Traz também um conjunto de textos sobre literatura que atesta o brilhantismo de Borges como leitor e crítico literário.
Em sua vasta atividade crítica, a organização de inúmeras antologias teve papel decisivo. Por meio delas, com os achados e a seleção de sua alta inteligência, fecundou seu ambiente literário, abrindo-o para traduções inéditas. Suscitou o diálogo com textos raros, desconhecidos ou reinventados; renovou o repertório dos autores considerados clássicos.
Como antologista da própria obra, Borges não foi menos rigoroso. Tinha autocrítica severa com relação aos poemas da primeira juventude e vivia a reescrever os próprios textos. Esse trabalho pode ser visto na Antologia pessoal, originalmente de 1961, publicada pela Companhia das Letras na coleção Biblioteca Borges em 2008, e agora na Nova antologia pessoal.
Mais generosa que a primeira, a Nova antologia traz um volume maior de textos e assuntos. A perplexidade metafísica, a memória dos mortos que se perpetua nos poemas, as imagens cifradas de uma língua pretérita, a linguagem, a pátria, o destino paradoxal dos poetas - esses e vários outros temas são nela recorrentes.
A exemplo da anterior, esta antologia forma um caleidoscópio, em que pedacinhos de vidro recombináveis fantasiam as múltiplas faces da totalidade. Como afirma o professor Davi Arrigucci Jr., integrante da comissão editorial da Biblioteca Borges: "Os textos em prosa e verso aqui reunidos podem ser fragmentos de espelhos onde se repetem os passos do autor cujo rosto desejamos reconhecer".

Sobre o autor