CLIQUE PARA AMPLIAR

JUBIABÁ

Jorge Amado

Apresentação

A história de Antônio Balduíno pode ser lida como a jornada de um homem bruto, de poucas luzes, em direção ao entendimento do mundo e do lugar que nele ocupa. Posfácio de Antônio Dimas.

Frequentemente comprados juntos

Companhia das Letras

Jubiabá

Jorge Amado

R$ 92,90

Companhia das Letras

Mar morto

Jorge Amado

R$ 62,90

Companhia das Letras

Tenda dos milagres

Jorge Amado

R$ 72,90

Preço total de

R$ 228,70

Adicionar ao carrinho

Você pode gostar também de

Companhia das Letras

Tenda dos milagres

Jorge Amado

R$ 72,90

Indisponível

Companhia das Letras

Tieta do Agreste

Jorge Amado

R$ 97,90

Companhia das Letras

Gabriela cravo e canela

Jorge Amado

R$ 77,90

Companhia das Letras

Dona flor e seus dois maridos

Jorge Amado

R$ 94,90

Companhia das Letras

Terras do sem-fim

Jorge Amado

R$ 67,90

Indisponível

Companhia das Letras

Tereza Batista cansada de guerra

Jorge Amado

R$ 77,90

Companhia das Letras

O país do carnaval

Jorge Amado

R$ 44,03

Ficha Técnica

Título original: Jubiabá Páginas: 360 Formato: 14.00 X 21.00 cm Peso: 0.443 kg Acabamento: Livro brochura Lançamento: 03/12/2008
ISBN: 978-85-3591-354-5 Selo: Companhia das Letras Ilustração:

SOBRE O LIVRO

A história de Antônio Balduíno pode ser lida como a jornada de um homem bruto, de poucas luzes, em direção ao entendimento do mundo e do lugar que nele ocupa. Posfácio de Antônio Dimas.

Antônio Balduíno nasce órfão no morro do Capa-Negro, que tinha como grande referência espiritual o centenário feiticeiro e ex-escravo Jubiabá. Depois de uma infância de liberdade e pequenos delitos nas ruas de Salvador, num ambiente similar ao que seria desenvolvido em Capitães da Areia, vira malandro, sambista e desordeiro, até ser transformado em boxeador profissional por um empresário italiano. Encerra a carreira prematuramente ao tomar uma surra no ringue numa noite de bebedeira e acaba indo trabalhar nas plantações de fumo do Recôncavo Baiano. Explorado ao extremo, apunhala um homem, foge, se engaja num circo ambulante, volta a Salvador, vira estivador, faz greve. Ao longo dessas muitas vidas, choca-se contra o mundo das mais variadas formas, até atingir um vislumbre de compreensão da realidade que o cerca e de seu lugar nela.
Publicado em 1935, quando o autor tinha apenas 23 anos, Jubiabá constitui um verdadeiro romance de formação e trata de um dos temas mais caros ao escritor - a força da cultura afro-baiana contra a opressão política e as injustiças sociais -, atestando o vigor narrativo de Jorge Amado e seu talento para a criação de personagens vívidos e inesquecíveis. Além de Balduíno e de Jubiabá, merece destaque a branquíssima Lindinalva, por quem o protagonista nutre um amor platônico na pré-adolescência e que reaparece anos depois doente e prostituída. Surgem ainda, de passagem, personagens que retornarão no livro seguinte do autor, Mar morto: o marinheiro Guma, o mestre de saveiro Manuel e sua esposa Maria Clara.
A edição francesa de Jubiabá acabou motivando a vinda ao Brasil de franceses ilustres como o fotógrafo e etnólogo Pierre Verger, o escritor Albert Camus e o fotógrafo Marcel Gautherot. Qualificado de "magnífico" por Camus, o romance foi adaptado para o cinema (por Nelson Pereira dos Santos), o teatro, o rádio, a televisão e os quadrinhos.